Defesa dos Nardoni pretende questionar inquérito na Justiça

Se o casal for denunciado pelo Ministério Público Estadual, a defesa questionará a investigação policial

Carolina Freitas, AE

28 de abril de 2008 | 17h25

Dois dos três advogados de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, indiciados pela morte de Isabella Nardoni, 5 anos, ficaram nesta segunda-feira por um a hora no 9º distrito policial na zona norte. Ele vieram buscar cópias de parte do inquérito policial sobre o caso. Na saída, Rogério Neres de Sousa disse que caso o casal seja denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE), a defesa questionará a investigação policial. "Depois de uma eventual denúncia, todas as provas periciais e depoimentos podem ser submetidos ao crivo do contraditório. Faremos isso dentro de uma postura técnica", disse Neres de Sousa. "Nosso trabalho está só começando. Ainda temos um longo processo pela frente".   Os advogados disseram não ter deliberado ainda a respeito de um hábeas corpus preventivo para o casal. Existe a possibilidade de a polícia entregar, junto ao relatório final do inquérito, o pedido de prisão preventiva de Alexandre e Anna Carolina. Os advogados disseram não saber quem virá ao 9º DP retirar as chaves do apartamento 62 do residencial London onde moram os Nardoni. A polícia deve liberar as chaves ainda hoje.   Representação   Depois de terem ameaçado, em 21 de abril, entrar com uma representação na Corregedoria da Polícia Civil contra irregularidades nas investigações do caso, os advogados recuaram. Uma semana depois da ameaça, a reclamação prometida para o dia seguinte ainda não foi protocolada na Corregedoria. Questionado se pretendia formalizar o procedimento, Neres de Sousa respondeu: "Representação, não." Em seguida, diante da insistência de jornalista, ele afirmou: "Não temos nada definido."

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.