Defesa de Nardoni espera decisão sobre habeas-corpus até 5ª

Segundo advogado de pai e madrasta de Isabella, pedidos de habeas-corpus são julgados em até uma semana

da Redação, estadao.com.br

08 de abril de 2008 | 11h39

A decisão do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo sobre o pedido de habeas-corpus do casal Alexandre Alves Nardoni e Anna Carolina Jatobá deverá ser conhecida entre a tarde desta terça-feira e quinta-feira, segundo expectativa de um dos advogados de defesa do casal, Rogério Neres de Sousa. Nardoni e Anna Carolina, pai e madrasta da menina Isabella, de 5 anos, que morreu sábado, dia 29 de março, após ser jogada do 6º andar do prédio onde mora o pai, na zona norte de São Paulo, estão presos temporariamente. VEJA TAMBÉMIsabella foi espancada e asfixiada, dizem peritosEspecialistas divergem sobre prisões do caso Isabella Escute por que crimes assim comovem a sociedade Tudo o que já foi publicado sobre o caso Isabella Conforme Sousa, não existe prazo legal para análise desse tipo de pedido e, em casos comuns, as decisões costumam ser conhecidas em uma semana. "Mas esse não é um caso comum", afirmou. "A expectativa é a de que tenhamos uma decisão até quinta-feira", acrescentou. O habeas-corpus foi impetrado pela defesa na segunda-feira, 7. O casal está preso, temporariamente, por 30 dias, desde quinta-feira passada. De acordo com o advogado, tanto Alexandre, preso na 77º Distrito Policial (DP), em Santa Cecília, região central da capital paulista, quanto Anna Carolina, detida no 89º DP, no Morumbi, na zona sul, vão continuar ocupando celas individuais.  "Não há possibilidade de eles serem transferidos para celas coletivas por causa do risco à integridade física", justificou. Na segunda, a delegada titular do 89º DP, Silvana Françolin, admitiu a possibilidade de a madrasta de Isabella ser transferida para uma cela compartilhada com outras presas, caso não seja concedido o pedido de habeas-corpus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.