Defesa de Geisy Arruda pede R$ 1 mi de indenização à Uniban

Advogados de estudante hostilizada movem processo por danos morais e temem que ela perca ano letivo

Maíra Teixeira, da Central de Notícias,

11 de dezembro de 2009 | 18h45

Os advogados de defesa da estudante de turismo Geisy Vila Nova Arruda protocolaram nesta sexta-feira, 11, processo de indenização por danos morais contra a Universidade Bandeirantes (Uniban). Segundo o advogado da aluna, Nehemias Domingos de Melo, na ação foi sugerida pena de pagamento de R$ 1 milhão. "O valor tem caráter pedagógico. Se pedíssemos R$ 20 ou 30 mil à Uniban, esse dinheiro nem faria 'cócegas no bolso' da instituição, que não aprenderia com esse processo deplorável", disse o advogado de defesa. O processo foi protocolado na 9ª Vara Cível de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

 

Veja também:

linkDefesa da Uniban tentará incriminar Geisy Arruda por má-fé

linkTudo o que foi publicado sobre o caso

 

Nehemias destacou que a aluna não pôde voltar à aula até o momento, por "falta de segurança e interesse da instituição", e teve negado o abono das faltas. "Se a universidade não abonar as faltas, como já negou em requerimento feito por mim, ela provavelmente vai perder o ano letivo. Tive de entrar com uma medida de urgência, pedindo ao juiz Rodrigo Borga Campos, que autorize que ela faça as provas, em caráter especial, em janeiro, além de conceder o abono das faltas."

 

No dia 22 de outubro, Geisy foi hostilizada pelos colegas dentro da universidade em São Bernardo do Campo, no Grande ABC paulista, por usar um vestido curto para ir à aula. No dia 5 de novembro, a Uniban divulgou a expulsão da aluna em comunicado em jornais de grande circulação da capital. A defesa alegou que Geisy ficou sabendo que estava expulsa pelos jornais. No dia 7, a universidade voltou atrás e revogou a expulsão.

 

Na próxima segunda-feira, 14, os seguranças da Uniban serão ouvidos na 2ª Delegacia de Proteção à Mulher de São Bernardo. A defesa de Geisy afirmou no dia 27 de novembro, em comunicado, que um segurança da universidade repreendeu a aluna quando já estava formado um tumulto por causa do vestido que ela usou para ir à faculdade. "Um segurança bateu boca com a Geisy na sala de aula e ficou dando lição de moral. Assim, ele acirrou ainda mais o ânimo dos estudantes, ao invés de apaziguar", defende Nehemias.

Tudo o que sabemos sobre:
SPGeisy Arruda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.