Defesa de casal critica método policial em inquérito

O advogado Marco Polo Levorin, um dos três defensores de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madrasta da menina Isabella Nardoni, disse nesta quarta-feira, 30, que a defesa do casal ficou "atônita" com as notícias veiculadas na imprensa sobre um suposto plano de fuga de Alexandre e Anna Carolina, às vésperas do anúncio de pedido de prisão preventiva por parte da polícia. "Nos surpreendeu que essa informação sobre uma possível fuga tenha vindo justamente no momento em que se pede a prisão preventiva. A defesa ficou atônita", comentou.   Conforme Levorin, o casal permanece na casa de familiares e em nenhum momento planejou viajar nem fez reservas em um hotel no exterior. "Todos os senhores são testemunhas de que eles estão no interior da residência, de maneira que o pedido de prisão preventiva não se faz necessário", afirmou. A polícia encaminhou hoje à Justiça um pedido de prisão preventiva do casal, junto ao inquérito relativo ao caso Isabella.   A defesa reforçou a versão de que o Condomínio London, de onde a menina foi jogada na noite do dia 29 de março, tem falhas em seu sistema de segurança. Segundo Levorin, "constatamos ao longo da investigação algumas situações que comprovavam a vulnerabilidade. No próprio dia do crime, o portão da garagem estava aberto". Em entrevista coletiva, o advogado afirma que provas colhidas também dão conta de um portão lateral, por onde prestadores de serviço e pessoas com deficiência costumam entrar, "sem identificação".

da Redação, estadao.com.br

30 de abril de 2008 | 16h33

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.