Defesa Civil encontra 18º corpo no Centro de Angra dos Reis

Corpo de homem idoso está sendo removido para Instituto Médico Legal; outras duas pessoas são procuradas

Solange Spigliatti e Mônica Ciarelli, do estadao.com.br,

04 Janeiro 2010 | 09h53

A Defesa Civil de Angra dos Reis, no Rio, localizou mais um corpo no Morro da Carioca, no Centro da cidade, na manhã desta segunda-feira, 4, segundo informações inicias da Defesa Civil municipal.

 

linkSão Luís do Paraitinga cancela festa de carnaval

linkPrefeitura de Angra monta abrigo em estádio

linkTuristas levam até 18 horas para voltar do litoral norte

linkAngra retoma buscas a vítima e monta abrigo

linkVeja um mapa com os locais dos acidentes

 

O corpo de um homem idoso está sendo removido para o Instituo Médico Legal da cidade. Com mais esta vítima, sobe para 18 o número de mortes causadas pelo deslizamento ocorrido na última sexta-feira, 1, no local. Outras duas pessoas são procuradas no Morro da Carioca.

 

O vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, ressaltou hoje que a situação em Angra dos Reis ainda é preocupante. Pezão sobrevoou a cidade com técnicos e informou que foram detectados cerca de 40 pontos de possíveis deslizamentos caso volte a chover na região.

Entretanto, o vice-governador fez questão de diferenciar as situações do Morro da Carioca, no Centro de Angra, e da Ilha Grande. No primeiro caso, a presença humana é forte, com construções em áreas de risco e a retirada da cobertura vegetal da região. Já na Ilha Grande, a região é ocupada por uma colônia japonesa há cerca de 60 a 70 anos e, inclusive pelas fotos, percebe-se que não havia qualquer interferência do homem na área que deslizou.

 

Ele acredita que, no caso da Ilha Grande, é necessário um trabalho de monitoramento de toda a região e um contato maior com os moradores para achar soluções que atendam a todos. Segundo ele, não é possível tirar as famílias que estão na região do Bananal há mais de 60 anos, mas é necessário criar uma estrutura que permita uma maior segurança para todos.

"As pessoas construíram suas vidas nessa região e, por isso, não podemos chegar e dizer que é necessário que eles partam para outro lugar", afirmou.

 

Mais conteúdo sobre:
Angra chuvas feriado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.