Decisão da estadual reforça a dúvida: é cota ou meta?

A Unesp aprovou metas de inclusão do programa do governo, mas manteve a dúvida: a universidade vai ter ou não a reserva de vagas para alunos de escola pública? A indefinição explícita sobre o termo - ao contrário da lei federal, que determina a inclusão - é criticada, sob o argumento de que as instituições poderiam não preencher as vagas. Assim, o retrato social, sobretudo em cursos concorridos, não mudaria.

Carlos Lordelo e Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

27 Abril 2013 | 02h01

O diretor da ONG Educafro, frei David dos Santos, entende que essa política precisa ser implementada com "responsabilidade", para que não haja uma falsa inclusão. "Estamos cobrando que o governo tenha uma comissão para fiscalizar o cumprimento integral dessas metas", disse. Fontes ouvidas pelo Estado indicam que respeitar o porcentual de negros entre os matriculados será o maior desafio.

Mais conteúdo sobre:
PimespCotasUnespEnsino superior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.