DEBATE: Decisão da Unesp influenciará o debate sobre cota na USP e Unicamp?

SIM

O Estado de S. Paulo

27 Abril 2013 | 02h01

 

"O quadro geral desse debate foi dado pela Lei de Cotas nas instituições federais de ensino e o governo paulista foi forçado a tomar uma iniciativa. Nas universidades paulistas, a inclusão é muito baixa, ainda mais em cursos concorridos. Assim, as universidades foram instadas não mais a discutir um sistema de cotas, mas como elas serão implementadas. Há dois anos, cota era tabu na USP e agora é preciso debatê-la. A decisão da Unesp é acertada, pois esse college, como foi proposto, é uma aberração. É um curso, criado por pressão da Univesp, que o candidato pobre faz para disputar uma vaga sem garantia de que vai entrar."

 

* OCIMAR ALAVARSE, PROFESSOR DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA USP

 

NÃO

 

"As universidades paulistas são autônomas. Elas podem escolher se aceitam o Pimesp. A decisão da Unesp não necessariamente será seguida pela USP e pela Unicamp. Sou contra as cotas, porque baixam o nível das universidades num momento em que o Brasil precisa se tornar mais competitivo - e isso passa pela qualidade de ensino. Tenho simpatia pela ideia de metas para aumentar a participação de setores menos privilegiados na universidade. Mas esses alunos têm de se esforçar. O jeito é criar cursos preparatórios para complementar os conhecimentos dos candidatos de escola pública. Na verdade, a solução definitiva seria melhorar o ensino médio em geral."

 

* JOSÉ GOLDEMBERG, FÍSICO E EX-REITOR DA USP

Mais conteúdo sobre:
Cotas Pimesp Ensino superior USP Unicamp Unesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.