Debaixo de cama, vítima pede ajuda por celular

Mulher estava na casa dos pais em SP quando assaltantes chegaram; do outro lado da linha, amigo chamou a PM

GIO MENDES, O Estado de S.Paulo

25 Abril 2012 | 03h33

Ao perceber que a casa de sua família havia sido invadida por ladrões, uma administradora de empresas de 30 anos se escondeu debaixo da cama e, pelo celular, avisou um amigo sobre o assalto. Enquanto os três assaltantes mantinham sete pessoas reféns - entre elas, um menino de 2 anos e uma menina de 11 -, ela conseguiu passar as informações que fizeram com que a Polícia Militar prendesse um dos criminosos.

O trio invadiu a casa no bairro Campo Grande, zona sul de São Paulo, por volta das 23h30 de anteontem. Eles entraram no sobrado da família após pular o muro de uma casa vizinha. Em seguida, armados com um revólver e uma faca, os bandidos dominaram os pais da administradora, de 64 e 66 anos, dois irmãos dela, de 34 e 37 anos, a cunhada de 37 e os dois sobrinhos.

"Cadê o tio?", perguntou um dos criminosos, referindo-se ao aposentado de 66 anos, dono do imóvel. Segundo as vítimas, os assaltantes disseram que tinham sido informados sobre a existência de um cofre dentro da casa. "Eles falaram que se a gente não colaborasse, minha cunhada ia perder o filho de 2 anos. Também ameaçaram sequestrar a filha dela", disse um parente, que pediu para não ser identificado.

O aposentado foi acordado pelos bandidos e forçado a abrir o cofre. Dentro dele havia R$ 14.308 em dinheiro e cheques. Os ladrões também roubaram quatro celulares, um relógio e R$ 400 das carteiras dos dois irmãos.

A administradora já estava conversando com um amigo pelo telefone, no andar superior do imóvel, e entrou debaixo da cama. O amigo saiu de carro da sua casa na Lapa, na zona oeste da capital, para ir até a casa da administradora. Pouco antes de chegar no local, parou uma viatura da PM e contou o que acontecia.

Os bandidos fugiram pelos fundos da casa ao perceber a chegada da viatura. A polícia conseguiu prender Flávio Pinheiro da Silva, de 28 anos. Com ele foram recuperados o valor roubado do cofre e os celulares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.