De vinho a cueca, as assinaturas inusitadas

Produtos antes vendidos apenas em mercados e lojas chegam mensalmente às portas de SP

Valéria França, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2010 | 00h00

Foto:Marcio Fernandes/AE  

 

Na tentativa de atender cada vez mais às necessidades do consumidor, os serviços por assinatura se especializaram e estão desenvolvendo pacotes inusitados. Hoje é possível, por exemplo, ter a casa sempre florida e a adega abastecida sem precisar se preocupar em passar no mercado. E quem determina a quantidade e a frequência do serviço é o assinante.

Entre as possibilidades de serviço, a grande novidade - e sucesso entre homens solteiros que moram sozinhos - é a assinatura de cueca. Em duas semanas, o serviço conquistou 120 clientes, entre eles, o publicitário Daniel Xavier, de 26 anos. "Comprar cueca é muito chato. Eu só repunha as da gaveta quando estavam esgarçadas. Daí, comprava de "baciada". Depois, todas ficavam velhas ao mesmo tempo", explica.

Ele assinou o plano básico, de R$ 49, que dá direito a duas cuecas a cada dois meses.

Mais do que se livrar de uma obrigação, Xavier recorre a esse e a outros serviços por assinatura para economizar tempo. "O trânsito da cidade é ruim." O publicitário também assina a NetMovies, serviço de entrega de DVDs.

Não há custo de frete nem prazo para a devolução dos filmes. O plano mais simples, de R$ 15,90, dá direito a quatro filmes por mês. Ao se cadastrar, o assinante escolhe os DVDs preferidos em uma lista de 20 mil títulos. Também estabelece a ordem de prioridade que gostaria de recebê-los. A NetMovies ainda disponibiliza gratuitamente o acesso a 1,5 mil títulos hospedados no site até setembro. Depois dessa data, vai cobrar pelo serviço.

Nostalgia. Atriz e mãe de três filhos pequenos, Luciana Sapia Franco, e sua sócia, Diana Sales, ambas de 30 anos, montaram no ano passado uma padaria artesanal, a Confraria Santa Bárbara. De lá, saem pães integrais, de meio quilo, de sabores variados. Tem de grãos, castanhas, nozes com passas, curcuma (açafrão da terra) e cacau. "Também aceito sugestões dos clientes e algumas receitas são personalizadas", diz Luciana. Receber quatro pães em casa por mês sai por R$ 65. Ao pedido podem ser adicionados bolos, geleias, biscoitos e granolas.

Ter a casa florida custa mais. A Florencanto cobra R$ 120 para entregar arranjos pequenos (30 centímetros de altura) de gérberas e rosas, entre outras espécies, quatro vezes por mês. O cliente escolhe o tipo.

Vinho. Para quem faz questão de ter a adega sempre bem abastecida, a Sociedade do Vinho tem um plano mínimo de assinatura de quatro garrafas por mês, que chegam a custar no máximo R$ 156. Os rótulos e a origem variam de acordo com o mês. "A ideia é levar o cliente a experimentar bebidas do mundo todo", diz Dario Taibo, diretor da empresa.

Em agosto, o vinho é o Sibaris, do produtor chileno Undurraga, safra 2008. Na caixa são entregues dois Cabernet Sauvignon e dois Chardonnay. Junto, o assinante recebe uma revista com cursos, novidades e viagens temáticas. Outra vantagem da assinatura é o preço: como a Sociedade do Vinho importa direto do produtor, os vinhos são vendidos com um preço no mínimo 20% menor que no varejo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.