De sapatos a Zona Azul, dicas para curtir a mostra

A Bienal deve atrair nos próximos três meses cerca de 10 mil visitantes por dia. Então é bom se preparar para o trânsito no estacionamento do Parque do Ibirapuera. Apenas a entrada da Avenida Pedro Álvares Cabral (portão 3) está liberada para os carros de passeio.

, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), as 898 vagas internas do parque funcionarão normalmente com o sistema de Zona Azul, obrigatório das 10h às 20h de segunda a sexta e das 8h às 18h nos fins de semana e feriados. Uma folha custa R$ 3 (válida por 30 minutos) e pode ser adquirida no parque ou na internet: www.zonaazulnasuacasa.com.br.

Das 8h às 18h nos dias de semana, a Bienal estará aberta para receber alunos de escolas municipais. Os ônibus, no entanto, devem usar o estacionamento da Assembleia Legislativa, na frente do Ibirapuera. Nesse bolsão, a Zona Azul vai ficar desativada durante o período da Bienal.

Transporte. A CET informa que vai monitorar o trânsito na região até o encerramento da mostra e orienta os visitantes a usar o transporte público, pois há poucas vagas de estacionamento no local. Para quem for de metrô, a melhor opção é a Estação Brigadeiro, da Linha 2-Verde. De lá, é preciso pegar um ônibus da linha 5154-10 (Terminal Santo Amaro), que passa na frente da Bienal. O ponto mais próximo da estação do metrô fica na Avenida Brigadeiro Luís Antônio.

Alimentação. Os visitantes terão à sua disposição uma lanchonete no pavilhão, que fica no mezanino do primeiro andar. Há também uma área para descanso, no 2º andar, para uma pausa entre uma obra e outra. É permitida a entrada de máquinas fotográficas, mas os visitantes não podem usar flash. Há um guarda-volumes no local - bolsas e mochilas não são permitidas. A orientação é usar sapatos confortáveis, pois a visita dura em média três horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.