Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

De olho no Natal, Haddad aumenta valor na Operação Delegada

Hora paga pela Prefeitura em convênio que combate o comércio irregular tem alta de 7,7%; adesão a programa caiu 39% no centro

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2015 | 08h00

SÃO PAULO -  A gestão Fernando Haddad (PT) aumentou o valor da hora paga ao policial militar que atua na Operação Delegada. Soldados, cabos, sargentos e subtenentes que aderirem ao programa receberão agora R$ 21,25 por hora - 7,7% a mais que os R$ 19,72 pagos pelo Município de 2011 pra cá. A alta visa equiparar o pagamento da Prefeitura ao praticado pelo governo do Estado, além de ser uma tentativa de recalibrar a ação, já de olho no aumento do comércio irregular às vésperas do Natal.

Criado pelo então prefeito Gilberto Kassab (PSD), em 2009, o programa chegou a atrair quase 5 mil PMs. Participam atualmente entre mil e 1,2 mil, segundo dados da Secretaria Municipal de Segurança Urbana. O número nem chega a preencher o quadro de vagas existentes, que hoje é de 1.472. Pelo convênio, o policial recebe para trabalhar em seu horário de folga. 

A desafagem do valor-hora e a alteração no sistema de medição do trabalho dos policiais, que desde 2014 precisam comprovar o serviço por meio de planilhas, ajudaram a esvaziar a operação durante a gestão Haddad. Nas Subprefeitura da Sé e da Mooca, por exemplo, a queda na adesão entre janeiro e abril deste ano foi de 39%. As duas áreas são as que mais enfrentam problemas como comércio de ambulantes, especialmente nos grandes centros comerciais, como a Rua 25 de Março e a Feirinha da Madrugada.

Segundo justificou o prefeito Haddad no projeto de lei, a correção do valor pago é necessária também porque outros municípios que realizam a mesma ação pagam mais - caso de Taubaté, no interior, onde a hora paga aos praças chega a R$ 28,72. Na capital, o aumento está valendo desde sábado, dia 24, quando a mudança na lei foi publicada no Diário Oficial da Cidade. 

GCM. Guardas-civis metropolitanos também têm o "bico oficial" pago pela Prefeitura desde outubro do ano passado, quando foi criada a Diária Especial por Atividade Complementar, a Deac. No caso da GCM, no entanto, o foco da operação é a segurança nas escolas e a limpeza urbana. Na Operação Delegada da GCM, os guardas recebem R$ 20 por hora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.