De olho na Expo 2020, Piritubão vai ganhar estação

A pedido da Prefeitura, Estado passa terminal da Linha Laranja da Freguesia do Ó para área onde será erguido centro de convenções

Eduardo Reina e Renato Machado, O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2011 | 00h00

A futura Linha 6-Laranja do Metrô será a principal ligação com o complexo de eventos que a Prefeitura de São Paulo quer construir em Pirituba, na zona norte. Por conta disso, os estudos da companhia preveem a extensão do ramal a partir da Vila Brasilândia - que seria inicialmente o terminal na zona norte - até a estrutura já apelidada de Piritubão.

O prolongamento é um pedido do prefeito Gilberto Kassab (DEM) ao governo do Estado para facilitar o transporte para o centro de exposições, que pode receber a Expo 2020. São Paulo é candidata à sede do evento, que reúne representantes de vários países (o resultado sairá em 2014). No ano passado, o evento foi em Xangai, na China; em 2015, será em Milão, na Itália.

Se a proposta de Kassab for considerada viável, a linha terá uma ampliação a partir de Vila Brasilândia até a região próxima da Estação Vila Clarice da Linha 7-Rubi (Luz-Jundiaí) da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Com isso, a linha ligaria a zona norte à zona leste, no Jardim Anália Franco.    

 

Veja também:

link Linha Laranja deve ir até Anália Franco

O complexo de convenções da Prefeitura na zona norte deverá ter área para shopping center, torres para escritórios, hotéis, restaurantes e uma arena multiuso. O local já foi cogitado como alternativa de sede para os jogos da Copa do Mundo em 2014. O projeto do Piritubão apresentado por Kassab ao governo do Estado já inclui um novo terminal para a Linha 6-Laranja, em Pirituba. A ideia ganha força dentro da administração estadual.

Outra provável mudança na Linha 6-Laranja é a forma de financiamento das obras. O governo do Estado pretende investir todos os recursos necessários para as obras civis. Mas há a possibilidade de que seja usada verba da iniciativa privada na compra e instalação de trens, sistemas operacionais e de energização.

Tudo seria feito no formato de uma parceria público-privada (PPP), quase idêntica à da Linha 4-Amarela. O modelo de concessão não seria usado desde o início (nas obras físicas), pois leva-se em torno de dois anos para concretizar um contrato desse tipo, o que causaria atrasos.

A previsão é de que o projeto básico dessa nova linha fique pronto em cinco ou seis meses, de acordo com o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. "O objetivo é que possamos trabalhar o edital da obra já neste ano, com audiências públicas e tudo mais", explicou o secretário.

Desapropriações. O terreno para construção do pátio e estacionamento de trens para o ramal já foi definido pelo Metrô. Ficará na Freguesia do Ó. As áreas a serem desapropriadas, onde serão construídas estações e bases da linha, devem começar a receber decretos de utilidade pública em breve. A previsão é de que sejam efetuadas em torno de 350 desapropriações de imóveis residenciais e comerciais, além de terrenos desocupados.

A Linha 6-Laranja já é chamada de "linha das universidades", pois vai passar perto de instituições de ensino como Mackenzie, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Universidade Paulista (Unip) e Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). O projeto inicial, sem os dois prolongamentos da zonas norte e leste, tem 14 estações. Projeções apontam para uma média diária de 598.426 passageiros.

PARA LEMBRAR

Com o anúncio de que o Morumbi estaria fora do Mundial 2014, a região de Pirituba foi apresentada como alternativa para receber um estádio para a abertura da Copa, em junho do ano passado. No entanto, o projeto foi deixado de lado após o anúncio de construção de novo estádio do Corinthians, em Itaquera, na zona leste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.