De Heliópolis a Perdizes, ideais de beleza parecidos

A auxiliar de acabamento de travesseiros Elisângela da Silva, de 29 anos, e a arquiteta Mariana Maia, de 30, estão pintando seus cabelos em salões de beleza distantes cerca de 20 quilômetros um do outro. O de Elisângela fica na Favela de Heliópolis, a maior de São Paulo, na zona sul, com 120 mil habitantes. Ela se entrega aos cuidados do cabeleireiro Claudinei Coutinho, que, para aplicar um louro ultraclaro cinza, prende com piranhas coloridas algumas mechas nas laterais. São 20h30 no salão Falcão, o mais popular da favela, localizado na Estrada das Lágrimas.

Paulo Sampaio, O Estado de S.Paulo

13 Fevereiro 2011 | 00h00

Mariana, moradora de Perdizes, bairro da zona oeste, é atendida no salão W do Shopping Pátio Higienópolis por duas assistentes do hairstylist Ricardo Rodrigues. Cada uma delas segura uma longa mecha de cabelos lisos, enquanto aplica um tonalizante para escurecer os "branquinhos". Em meia hora, a dupla lava o cabelo de Mariana e, então, o hairstylist entra com a tesoura e finaliza com a escova. É meio dia no W.

Embora o ambiente, o processo e os produtos utilizados sejam muito diferentes, a vontade de ter o cabelo igual ao da Xuxa (no salão Falcão) e ao da Gisele (no W) é a mesma. Quem afirma é o cabeleireiro Ivan Stringhi, do W, que, graças ao Projeto Tesourinha, criado para levar técnicas de cabeleireiros como o W a profissionais de salões como o Falcão, circula nos dois universos.

"As mulheres são iguais, independentemente do poder aquisitivo delas. Elas sempre têm um ideal de beleza. Só que a que gasta "dois conto" no salão controla tudo e não tem vergonha de dizer: "Não estou gostando, não é o que eu quero"."

Elizângela e Mariana aplicam diariamente no rosto filtro solar de alto fator de proteção e adoram se maquiar.

Apesar de usar Avon e Natura, marcas consideradas por ela "coisa boa", Elizângela se dá melhor com o que chama de " mixuruca". "As mais caras me deixam cheia de pipoca no rosto", afirma. Mariana diz que só usa rímel e um batonzinho no dia a dia, mas, em festa, carrega na sombra. Usa MAC e Chanel.

"O que eu mais gosto em mim são o rosto e o bumbum", diz Elizângela, 1,55 metro, 75 quilos. "Faço ginástica todos os dias, musculação e corrida rápida, mas ainda não voltei a ter o corpo que tinha antes da gravidez", diz Mariana, 1,67 m, 53 quilos. Ela explica que só vai estar como gostaria daqui a três anos. "A Cláudia Raia diz que levou dois anos para se recuperar das gravidezes, mas eu preciso de três."

Observação: nem Elizângela nem Mariana se considera "muito vaidosa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.