DE FESTA À NASA, SÓ SE FALA NO FIM DO MUNDO

Profecia do apocalipse na sexta-feira se espalhou por causa de má interpretação do calendário maia

DENIZE GUEDES , JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2012 | 02h03

Não se fala em outra coisa nos últimos dias: pelo calendário maia, o mundo vai acabar na próxima sexta-feira, dia 21 de dezembro. A previsão fatalista já fez até instituições respeitadas, como a Nasa, agência espacial americana, e o Vaticano, se manifestarem. Enquanto isso, muitos brasileiros preferem encarar a data com bom humor - várias festas estão marcadas para o "dia do apocalipse".

Segundo Alberto Frederico Beuttenmuller, autor do livro 2012 - A Profecia Maia, tudo não passa de uma interpretação equivocada de um dos dois calendários maias - povo que habitou o México e a América Central da Antiguidade ao século 15. A civilização estabeleceu como início da contagem do tempo o ano de 3113 a.C. e o desenhou até 5,2 mil anos à frente. Dividiram tudo por cinco e convencionaram dizer que cada quinto era um mundo - justamente daqui a cinco dias se daria o fim do quinto mundo. "Como eles deram o nome de mundo, houve essa confusão. Mas é preciso entender a concepção de mundo de cada civilização", afirma Beuttenmuller.

Na seção criada em seu site para refutar a proximidade do apocalipse, a Nasa chegou a convocar uma conferência via internet no fim do mês passado. E, sob o tema Terra. Seu futuro. Nossa missão, publicou uma série de perguntas e respostas sobre o que chama de "tópicos de 2012" (veja alguns ao lado).

As medidas foram tomadas após começarem a chegar cartas com dúvidas sobre o assunto. Elas incluíam relatos de crianças com medo, que já não conseguiam dormir nem comer. Uma mensagem em especial alarmou a agência. Nela, um professor contava que pais de alunos estariam cogitando matar seus filhos - para que eles não tivessem de presenciar o fim da Terra.

Na terça-feira, foi a vez de o Vaticano se manifestar. O astrônomo e reverendo José Funes publicou um artigo no jornal Osservatore Romano chamado O Apocalipse que não virá (pelo menos, por enquanto). No texto, disse "não valer nem a pena discutir os fundamentos científicos dessas afirmações". Mesmo assim, segundo ele, os verdadeiros cristãos acreditam que "a morte nunca é a última palavra".

Irreverência. No Brasil, o bom humor parece dar o tom. Alto Paraíso, município no interior de Goiás conhecido por ser um destino místico, vai promover na noite de sexta-feira a festa Todo Mundo no Paraíso. "Vai ser de graça. Uma das atrações é (o cantor) Paulinho Moska", diz a secretária de Turismo, Fernanda Montes. "O cartaz é como se a cidade fosse uma arca de Noé, com várias tribos de pessoas dentro dela."

Com o "fim do mundo" e o apelo da cidade, a temporada turística começou mais cedo. "Normalmente, os visitantes vêm a partir do dia 26 (de dezembro). Neste ano, chegam no sábado (ontem). E, se a gente recebe 7 mil pessoas, agora esperamos 10 mil."

Em São Paulo, o fim do mundo virou até letra de música. "Vende-se um planeta usado, 7 bilhões de únicos donos, em médio estado, mas sem as calotas, com o teto cheio de buracos e o radiador enguiçado", diz a letra de Classificados, de Daniel Carezzato, Luciana Bugni e Marcos Mesquita - com participação de Tom Zé. Foi a primeira gravada pela banda ½ dúzia de 3 ou 4 para o projeto O Fim está Próspero - Trilha Sonora (Oficial) para o Fim do Mundo, iniciado em 2010.

De lá para cá, foram 12 músicas com videoclipe. O lançamento do disco está próximo: será na terça-feira. "É para dar tempo de curar a ressaca para o dia 21", brinca o músico Thiago Melo, um dos integrantes da banda.

Apostando no "novo mundo", no sábado, "primeiro dia pós-apocalipse", o publicitário Roberto Machado, de 33 anos, organiza em sua casa, na capital, A Balada do (Re)Começo do Mundo. "A banda de karaokê Cowbeatle vai atender aos pedidos de quem quiser cantar o fim de uma era e o início de outra", diz.

Empresas também entraram no "fim do mundo irreverente". A Suíte Novotel, do grupo Accor, lançou a ação 21/12/2012 - Revival. A partir de € 75, duas pessoas podem celebrar a noite de sexta-feira em uma das 29 unidades da rede pelo mundo. "A ideia do pacote foi um approach inovador e criativo", diz a gerente de Marketing para América Latina, Claudia de Barros Barbosa.

Para a astróloga Cristina Mallet, o dia 21 tem a ver mesmo com o início de uma nova era. "Tudo na natureza se estrutura em ciclos, como as estações do ano. Encerramos um ciclo e iniciamos outro, em que o mundo será mais humano."

Mensageiro. Danillo Matos (foto à esquerda), de 56 anos, diz acreditar no fim do mundo. Para precaver o maior número de pessoas, largou emprego em dezembro do ano passado para ficar debaixo de sol e chuva na frente do Masp, na Avenida Paulista, o ano "inteirinho, de quinta-feira a domingo". Com cartazes sobre diferentes profecias e distribuição de panfletos, explica para quem se aventura a ouvir: "Nós vamos virar seres de luz. Eu não tenho medo".

Matos não precisa temer. Estudo da Universidade de Boston, publicado em maio na revista Science, diz que o mais antigo calendário maia já achado não acaba em 13 fases, como o que originou a profecia, mas em 17. As pinturas estavam em um templo na antiga cidade de Xultún, na Guatemala.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.