De dia, protesto de marronzinho já havia complicado o trânsito

Faixas reversíveis foram um dos serviços afetados; sindicato diz que 60% dos agentes doaram sangue na hora do trabalho

O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2012 | 03h01

O trânsito ontem já estava complicado por causa de um protesto dos marronzinhos da Companha de Engenharia de Tráfego (CET). Cerca de 60% dos agentes (1,5 mil funcionários), segundo o sindicato da categoria, foram doar sangue ontem em vez de trabalhar. O objetivo era pressionar a companhia a melhorar o índice do reajuste salarial em negociação.

O principal reflexo foi a suspensão da faixa reversível, de manhã, no sentido centro da Radial Leste. Sem os agentes, a faixa que normalmente tem cerca de 10 quilômetros de extensão só funcionou em 1,5 km. Houve também pontos sem faixa reversível na Estrada do M'Boi Mirim,

Na manhã, os índices de congestionamento ficaram acima da média durante a manifestação. O maior trânsito foi registrado às 10h, com 117 km de congestionamento. A média para o horário é de 101 km.

À tarde, todos os serviços dos agentes foram executados, mas o congestionamento chegou a 219 km, principalmente por causa do bloqueio no Corredor Norte-Sul (a média é 190 km).

Segundo o sindicato dos agentes, outros serviços também deixaram de ser feitos, como a fiscalização da Zona Azul.

Em nota, a CET disse que montou uma operação especial para a manifestação. "Houve pequenos problemas em alguns locais, mas a situação foi normalizada rapidamente."

O presidente do sindicato, Reno Ale, afirma que há uma greve marcada para começar no dia 4 de setembro. "Esse movimento foi muito importante para fortalecer nossa greve. Precisamos de mais investimentos na CET."

Segundo o sindicato, o aumento reivindicado é de 12%. Já a companhia propôs 4,14%, referente à inflação acumulada entre maio de 2011 e deste ano. A CET divulgou nota no começo da noite afirmando que o protesto causou "estranheza" porque as negociações continuam.

Doações. A Fundação Pró-Sangue, no Hospital das Clínicas, disse ter registrado alta de 46% nas doações ontem até as 16h. A média para as sextas-feiras é de 257 bolsas. Ontem, 438 candidatos se apresentaram, mas só 376 puderam doar. Segundo Ale, outros agentes doaram em diferentes locais. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.