'Datas redondas' e biografias emplacam hoje

O chamado enredo biográfico pode ser um trunfo, quando a figura é carismática, mas também pode travar a inventividade

ROBERTA PENNAFORT / RIO, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2012 | 03h03

Os 400 anos da cidade de São Luís, o centenário de nascimento do compositor Luiz Gonzaga e do escritor Jorge Amado, os 50 anos de morte do pintor Cândido Portinari e de criação do bloco carnavalesco carioca Cacique de Ramos. Frequentes fontes de inspiração das escolas de samba, as efemérides neste ano motivaram Beija-Flor, Unidos da Tijuca, Imperatriz, Mocidade e Mangueira, respectivamente.

Não se trata de novidade. Ano passado, o enredo campeão, da Beija-Flor, foi o que celebrou obra e vida de Roberto Carlos, em seu 70.º aniversário. A Mangueira também voltou no desfile das campeãs, festejando o centenário do "filho fiel" Nelson Cavaquinho (ficou em terceiro lugar, colocação que não alcançava desde 2007). A Portela lembrou os 100 anos do porto do Rio (e não concorreu porque seu barracão pegou fogo).

O chamado enredo biográfico pode ser um trunfo, quando a figura é carismática (Roberto Carlos, Chico Buarque, Tom Jobim, Os Doces Bárbaros, todos renderam desfiles que cativaram as arquibancadas). No entanto, é também uma armadilha autoimposta, quando o carnavalesco peca pela falta de inventividade e se ancora apenas na simpatia que a pessoa (ou cidade) gera naturalmente.

Carnaval à Broadway. Além dos ícones do Cacique de Ramos, como Beth Carvalho e Jorge Aragão, na Mangueira, e da realeza enviada ao sertão brasileiro pela Unidos da Tijuca, a Sapucaí vai descobrir hoje os musicais da São Clemente, a Inglaterra da União da Ilha, o cordel do Salgueiro e as histórias de superação da Grande Rio.

Em parceria com a Aventura, produtora carioca de espetáculos teatrais de sucesso, como Hair e A Noviça Rebelde, a São Clemente, primeira a desfilar hoje, às 21h, misturou o teatro de revista da Praça Tiradentes com a milionária Broadway, tendo como ponto de partida os instrumentistas das cortes. A União da Ilha, que no ano passado também teve dificuldades por causa do incêndio na Cidade do Samba, vem em seguida com De Londres ao Rio, a partir das 22h05, e vislumbra a Olimpíada.

A Salgueiro deve entrar na Marquês de Sapucaí entre 23h10 e 23h44, cantando a literatura de cordel, seguida pela Mangueira, entre 0h15 e 1h06.

A Unidos da Tijuca de Paulo Barros está prevista para apresentar sua homenagem a Luiz Gonzaga a partir da 1h20.

Lula outra vez. A Grande Rio fecha a festa carioca - está prevista para entrar às 2h25. Maior prejudicada pelo incêndio em 2011, a escola se empenha para espantar o tempo ruim. Com o enredo Eu acredito em você! E você?, a escola de Duque de Caxias vai retratar personalidades que superaram dificuldades pessoais, como o ex-presidente Lula e o maestro João Carlos Martins, campeão pela Vai-Vai em 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.