Datafolha: 60% dos moradores de SP aprovam ação na Cracolândia

Datafolha: 60% dos moradores de SP aprovam ação na Cracolândia

Pesquisa mostrou ainda que 80% é a favor da internação à força para tratamento de usuários

O Estado de S. Paulo

03 de junho de 2017 | 11h23

SÃO PAULO  - A maioria dos moradores de São Paulo aprova a maneira como foi feita a operação policial na Cracolândia e defende a internação à força para tratamento de usuários de crack, apesar de acreditar que não é possível solucionar o problema na cidade. É o que mostra pesquisa Datafolha divulgada neste sábado, 3.

De acordo com o levantamento, 60% disseram apoiar a operação, mesmo 53% acreditando que houve violência contra os usuários na ação. A pesquisa foi feita nesta quinta-feira, 1º, e ouviu 1.125 pessoas na cidade. A margem de erro é de três pontos porcentuais, para mais ou para menos. 

Há 11 dias, uma operação policial, sob o comando do governador Geraldo Alckmin (PSDB), prendeu 38 traficantes e desobstruiu as vias da região da Cracolândia, com a destruição de barracas de feira onde eram comercializados 19 quilos de crack por dia. 

O prefeito João Doria (PSDB) chegou a dizer que a Cracolândia havia acabado, mas o fluxo de usuários migrou nos dias seguintes para  a Praça Princesa Isabel, a 400 metros do antigo ponto. 

Apesar de Alckmin ser o responsável pelo comando das polícias, apenas 9% da população atribui a ação a ele. Para 60%, Doria foi o responsável pela operação e 18% acreditam que deve ser atribuída aos dois tucanos. 

O desempenho de Doria na ação é visto como ótimo/bom por 48% das pessoas - 23% consideraram ruim péssimo. Enquanto o desempenho de Alckmin é avaliado como ótimo/bom por 29% e ruim por 33% delas. 

Medidas. A pesquisa também avaliou a aprovação da população a outras medidas que foram adotadas após a operação policial. Nos dias seguintes à ação, a gestão Doria teve pressa em adotar medidas para conter a movimentação dos usuários, como a demolição de imóveis que eram usados pelo tráfico na região da cracolândia. A primeira demolição, no entanto, feriu três pessoas e a ação foi vetada Justiça - a iniciativa é aprovada por 55% dos moradores. 

Outra aposta de Doria foi procurar a Justiça para obter a autorização de recolher à força usuários e levá-los para tratamento médico. A medida foi barrada pelo Tribunal de Justiça. Segundo a pesquisa, 80% da população defende a internação de dependentes de crack mesmo contra a vontade deles. 

Para 71%, a operação pode provocar uma temporária redução do consumo de crack, mas não uma busca pelo abandono do vício. Ainda 74% acreditam que os usuários precisam de mais força de vontade do que tratamento médico para abandonar o vício. Metade crê que é impossível acabar com o tráfico e o uso de crack na cidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.