Das medidas anunciadas contra crise aérea, só uma vigora

Após o acidente da TAM, número de pousos foi reduzido de 44 para 30 por hora em Congonhas

Rodrigo Brancatelli, de O Estado de S. Paulo,

03 de setembro de 2008 | 20h45

Apesar de o ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmar com todas as letras no último mês de julho que Congonhas ganhou segurança "absoluta" depois das mudanças realizadas no aeroporto, somente um único item do amplo pacote de medidas anunciado em 2007 para aumentar a segurança das operações continua em vigor. O número de pousos e decolagens, que, antes da tragédia do vôo 3054 da TAM , chegava a 44 por hora, hoje é de 30 para a aviação comercial e 4 para a geral (táxis aéreos e jatos executivos).   Veja também: Avião derrapa na pista e Aeroporto de Congonhas é fechado Acidente em Congonhas cancela vôos e pára operações no Rio Após acidente, acesso à Bandeirantes é fechado Congonhas não terá mais vôos internacionais Especial sobre a crise aérea  Todas as notícias sobre a crise aérea    Conheça as medidas anunciadas contra a crise em julho de 2007:   1. Novo aeroporto no Estado de São Paulo - O ministério da Defesa anunciou a criação de um novo terminal em São Paulo para desafogar o volume de vôos no Aeroporto de Congonhas;   2. Restrição dos vôos fretados e charters - Não seria mais autorizada a operação de vôos fretados e charters em Congonhas; os vôos já autorizados deveriam ser redistribuídos para outros aeroportos;   3. Estudo para adequar e ampliar os aeroportos paulistas - O ministério havia prometido, até o final de outubro de 2007, um estudo de ampliação e adequação de aeroportos em São Paulo;   4. Aproveitamento do espaço ocupado por empresas falidas - Entre os projetos estava a liberação dos espaços nos aeroportos de todo o País, em especial de Congonhas, ocupadas por empresas falidas ou em recuperação judicial;   5. Restrição de escalas e conexões - A redistribuição das autorizações de horários de vôos concedidos às companhias aéreas em Congonhas seria feita até o final de setembro de 2007. A intenção era fazer com que Congonhas não funcionasse mais como ponto distribuição, com conexões e escalas de vôos;   6. Alternativas para vôos internacionais - Seriam determinados alguns pontos no Brasil, fora de São Paulo, para os novos acordos bilaterais e multilaterais de vôos internacionais; além disso, serão renegociados os acordos existentes para compatibilizar com a readequação da nova malha aérea;   7. Apoio às famílias das vítimas do acidente da TAM - A intenção era intensificar a fiscalização para assegurar o cumprimento das regras de apoio a familiares das vítimas do acidente de 17 de julho de 2007;   8. Limite de uso de Congonhas e redistribuição de vôos - A demanda de Congonhas seria limitada e parte dos vôos seria transferida para outros aeroportos;   9. Mais espaço para passageiros no Aeroporto de Cumbica - Adoção de medidas operacionais e de redistribuição dos espaços físicos de forma a recepcionar o maior número de passageiros no Aeroporto de Cumbica, em especial no Terminal 1;   10. Plano permanente de contingência - Seria instituído um plano permanente de contingência de aeronaves e tripulação de empresas aéreas.  

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreaCongonhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.