Dante: alunos são vítimas de roubo de celulares

Desde o começo do ano, ladrões têm abordado estudantes em áreas próximas do colégio; 9 de Julho é a rota de fuga

Luísa Alcalde, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2011 | 00h00

Alunos do Colégio Dante Alighieri, nos Jardins, zona sul de São Paulo, têm sido vítimas de ladrões de celulares que agem nas proximidades da escola. Por causa dos ataques, muitos estudantes passaram a andar em grupo.

Um dos suspeitos dos crimes costuma seguir os adolescentes nas Alamedas Lorena, Casa Branca, Franca, Itu, Jaú e na Rua Oscar Freire. Até agora não foi relatado uso de arma. Os criminosos abordam os garotos e exigem que entreguem o celular. Há casos em que eles revistam os bolsos dos estudantes. A maioria foge pela Avenida 9 de Julho.

O publicitário Emílio Iacavini, de 42 anos, viu, da varanda de seu apartamento, o filho de 15 anos ser atacado por um adolescente há dois meses. "Ele falava com a mãe quando um rapaz se aproximou, arrancou o telefone da mão dele e saiu em direção à 9 de Julho", afirma. Ele ligou para a escola. "Falaram que não tinham o que fazer porque o crime aconteceu na rua", conta.

Os filhos da engenheira Cláudia Tuma, de 13 e 14 anos, também foram abordados por um jovem nas proximidades do Dante. O primeiro caso ocorreu no fim de 2010. O ataque mais recente, no último dia 18. "Ele estava indo para a escola participar de um jogo esportivo, por volta das 18h. Um rapaz o empurrou contra o muro de um prédio e o mandou passar o celular, mas ele só tinha papel dobrado no bolso." O garoto foi, então, ameaçado.

Polícia. A PM informou que a segurança nos Jardins é feita com viaturas, policiamento comunitário, Força Tática, entre outros grupamentos. A Secretaria da Segurança Pública informou que não há ocorrências relacionadas aos alunos do Dante no 78.º DP, a delegacia da área. O colégio disse que o seu entorno é monitorado por câmeras e seguranças e as imagens são cedidas para a polícia sempre que requisitadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.