Robson Fernandjes/AE
Robson Fernandjes/AE

Dados de celular tiram Mizael Bispo da cena do crime, diz defesa

Advogado se diz confiante em laudos técnicos e reclama da pressão popular no fórum

Eduardo Roberto, estadão.com.br

18 de outubro de 2010 | 19h53

GUARULHOS - O advogado de Mizael Bispo, Ivon Ribeiro, afirmou após o primeiro dia de audiência no Fórum Geral de Guarulhos que fará a defesa de seu cliente baseado em dados de celular. Segundo ele, no dia da morte de Mércia Nakashima, 23 de maio, o réu - ex-namorado da advogada morta - fez uma ligação às 19h30 do centro de Guarulhos, "o que o tira da cena do crime."

 

Veja também:

linkFlanelinha diz ter visto Mizael em carro igual ao achado com corpo de Mércia

linkIrmã de Mércia diz que Mizael era muito ciumento

linkIrmão de Mércia diz se arrepender por não ter sido 'mais duro'

linkAdvogado da família acredita que Mizael e vigia vão a júri popular

 

O advogado se queixou da pressão popular. Enquanto ele deixava o fórum, diversos populares gritavam "justiça". "Isso é sempre negativo, pode levar a conclusões que não condizem com a verdade", afirmou.

 

Ele disse ainda que tentou transferir a audiência para Nazaré Paulista, onde o corpo da advogada foi encontrado, em 11 de junho, devido à essa pressão. "Aqui não se pode nem garantir o direito básico, que é o direito à vida", acrescentou.

 

Ivon se mostrou confiante em relação aos laudos técnicos, e lembrou que os pedidos de prisão preventiva de Mizael foram negados. "Ainda terão outros laudos técnicos para serem avaliados, que corroboram a versão deles [Mizael e Evandro Silva, o vigia]", concluiu.

 

O promotor Rodrigo Merli, que representa a acusação, considerou o "positivo" início dos trabalhos. "Somente as provas técnicas podem ajudar no caso", destacou. A audiência será retomada nesta terça-feira, às 13h, com as testemunhas de defesa.

Tudo o que sabemos sobre:
caso Mércia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.