GABRIELA BILÓ/ESTADÃO
GABRIELA BILÓ/ESTADÃO

'Dá para tirar uns R$ 200 por dia’, diz pedinte de Cumbica

Homem carrega carrinho com malas para fingir ser passageiro e driblar fiscalização do Aeroporto de Guarulhos

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

27 Dezembro 2017 | 03h00

SÃO PAULO - O primeiro chamado é discreto. “Moço”, fala baixinho. Se a atenção não vem, repete mais alto. “Moço! Me dá uma ajuda, pelo amor de Deus?!”, diz o homem, a expressão aflita, os braços abertos como se estivesse perdido. Está no saguão do Terminal 2 de Cumbica, é perto do meio-dia. De camisa social, calça jeans e o cabelo curto, é aparentemente um passageiro. Empurra um carrinho com três malas – uma criança, não mais do que 4 anos, está sentada sobre elas. Na sua cola, uma mulher carrega outra menininha, ainda menor.

Ao Estado, o homem confessa que se trata de encenação para conseguir dinheiro. O carrinho, as malas, a roupa em bom estado, tudo foi pensado para ser uma espécie de disfarce. Serve para que a família se misture ao público do aeroporto e ainda drible os vigias. “Ou então não me deixam circular”, diz ele. “E se eu falar que estou desempregado, ninguém me ajuda.” 

Aos passageiros, conta que acabou de chegar de viagem e está sem dinheiro. “Estou tentando voltar para Campinas”, repete. Mesmo sem entrar em detalhes, convence muitos. “Por dia, dá para tirar uns R$ 200.”

“Você quer saber a real mesmo, né? Sou de Salvador, estou aqui em São Paulo faz quatro meses”, o homem começa. “Um pessoal da família me arrumou um emprego, mas o trabalho acabou. O aluguel é caro, fora cinco filhos e os netos. Aí, tem de pedir, né?”, justifica. “A verdade é essa. Só não dou meu nome por que, aí, complica pro meu lado. ‘É nóis’. Fica com Deus.” 

Ambulantes. Um rapaz magricelo, de óculos de grau e cabelo repartido para o lado, aborda um homem que lê na área de desembarque internacional. “Boa tarde, estou arrecadando dinheiro para uma missão na África e tenho esse livro aqui”, diz, sacando um exemplar escondido em uma mochila. “É só dar quanto acha que vale e...” O homem interrompe, afirmando que está sem dinheiro. O rapaz rebate: “Pode ser no cartão”. 

Depois, consegue vender um livro para a professora Ana Laura de Abreu, de 26 anos, em um restaurante no Terminal 3. “Ele foi simpático. Quando a abordagem é exagerada, incomoda. Neste caso, não.” A ela, contou que estuda Psicologia e precisa de dinheiro para o curso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.