Curto-circuito fez bueiro explodir no centro da capital

Acidente com transformador feriu 2 pessoas e danificou 5 veículos e pizzaria; equipamento passou por manutenção em dezembro

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2012 | 03h02

A explosão responsável pelo blecaute em Santa Cecília, na região central de São Paulo, na noite de anteontem, foi provocada por um curto-circuito em um transformador de mais de duas toneladas. A máquina estava instalada sob a calçada, na altura do número 150 da Rua Doutor Frederico Steidel. Segundo a AES Eletropaulo, havia passado por manutenção exatamente um mês atrás. Duas pessoas ficaram feridas, uma pizzaria foi danificada e cinco carros, atingidos.

A auxiliar de limpeza Marcilene Ferreira Silva, de 31 anos, funcionária da pizzaria, era a pessoa que estava mais próxima da câmara subterrânea às 20h45, momento da explosão. Ela sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus em várias partes do corpo, principalmente no rosto e nos braços, e precisou ser hospitalizada. Ontem à noite, continuava internada, em observação, no Hospital Santa Isabel, unidade da Santa Casa.

Um motoboy que faz entregas para a pizzaria também se feriu, mas sem gravidade. O fogo e o deslocamento de ar provocados pela explosão quebraram vidros de carros - um deles também ficou queimado - e levantaram o asfalto, além de abrir uma cratera com cerca de cinco metros.

O vice-presidente de Operações da AES Eletropaulo, Sidney Simonaggio, afirmou que as causas do acidente só serão conhecidas após a análise do transformador. "Essa máquina era nova. Havia sido instalada no local havia dois anos e, durante a última manutenção, realizada em dezembro, não apresentava problemas. Vamos ter de desmontá-la para entender o que aconteceu", afirmou.

Segundo Simonaggio, o volume d'água que havia na caixa subterrânea não provocou o acidente. "O transformador, assim como todos os cabos, são isolados a fim de evitar qualquer interferência. Além disso, nossas câmaras transformadoras não compartilham serviços, como de gás ou de telefonia." A presença de água, no entanto, pode explicar o vapor liberado com o fogo.

O transformador que explodiu trabalhava com tensão primária de 20 mil volts - um chuveiro, por exemplo, tem 220 volts. Até o fim do dia, outra máquina deve ser instalada no local. Ao todo, são mais de 4 mil transformadores espalhados pela cidade. Na média, a vida útil de cada um varia de 20 a 30 anos.

A Eletropaulo informou que vai indenizar as vítimas da explosão e pagar todas as despesas do tratamento de Marcilene. O reparo na calçada deve ser concluído ainda hoje.

Responsabilidades. Um inquérito civil, instaurado em meados de dezembro pela Promotoria da Habitação e Urbanismo, apura as causas de outras três explosões semelhantes ocorridas na cidade desde novembro.

De acordo com o promotor de Justiça José Carlos de Freitas, já foram enviados ofícios à Prefeitura, ao Corpo de Bombeiros e ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (Crea-SP). O caso de anteontem será anexado à investigação.

A Prefeitura informou que o Departamento de Controle de Uso de Vias Públicas (Convias) fiscaliza as obras de instalação ou manutenção das redes de concessionárias no subsolo, mas, como não havia serviço programado para o local, a responsabilidade do fato é apenas da concessionária, que não será multada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.