Curso de drag promete R$ 2 mil de cachê

Aulas na Avenida São João, no centro de São Paulo, ensinam dicas de postura, produção e maquiagem a novos profissionais

CAMILA BRUNELLI , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2012 | 03h03

Em meio a bandeiras com arco-íris e CDs da Madonna, uma tenda na frente da Avenida São João chamou a atenção de quem passou ontem pelo Vale do Anhangabaú. Homens com maquiagem e roupas espalhafatosas se aglomeravam em um dos cursos da Feira Cultural da Diversidade, chamado "Linha de Montagem: Nasce uma Drag Queen". O objetivo era dar dicas sobre como entrar nesse mercado de trabalho, que, com a crescente procura, pode render cachês de R$ 350 a R$ 2 mil por apresentação.

Dindry Buck e Sissi Girl, nascidos Albert Roggerbuck e Ailton de Almeida, respectivamente, são donas da Drag Queen Eventos e chegam a fazer cerca de 40 shows por mês "Fazemos de casamentos a eventos executivos, além de festas infantis. As crianças ficam fascinadas porque elas veem na gente as suas bonecas personalizadas", contou Dindry.

Pela terceira vez realizando a oficina, as duas, acompanhadas do ator transformista Luhly Cow e do jornalista e ator Eduardo Mories, deram dicas importantes de produção, postura e divulgação do trabalho em redes sociais aos participantes. Se uma drag quer se promover, é bom ter cuidado com o que escreve nas redes sociais e, principalmente, evitar erros de português, já que o perfil é sua vitrine.

"Muitos de nós trabalhamos não-montados durante o dia e ter a sobrancelha muito delineada pode causar algum problema. Por isso, é importante saber cobrir parte da sobrancelha na hora da apresentação", disse Luhly.

Dindry acrescentou que vários alunos são artistas da periferia que já trabalham em casas noturnas da região, mas ainda não tiveram oportunidades em grandes casas. "É importante se apresentar nessas boates porque, assim, elas ficam mais famosas e podem ir para o interior ou outros Estados para ganhar mais." É o caso de Paulo Sérgio, Viana, de 21 anos, a Yasmin Carraro, que já fez shows e queria aprender nova maquiagem no curso. "Quero me profissionalizar", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.