Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Cúpula do PCC planejou resgate em presídio de segurança máxima

Polícia descobriu plano que envolvia uso de caminhão blindado em cartas apreendidas com integrante da facção que estava em liberdade

O Estado de S. Paulo

21 Julho 2018 | 21h08

SÃO PAULO - Os chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC) planejaram um resgate de dentro da Penitenciária II de Presidente Venceslau, presídio de segurança máxima que fica no interior de São Paulo. O plano previa o uso de um caminhão blindado para derrubar o muro da unidade e libertar seis integrantes da cúpula da facção. 

O esquema foi descoberto pela polícia no mês passado e revelado pelo SBT. Segundo a reportagem, os detalhes estão escritos em duas cartas apreendidas na casa de um ladrão de carro forte que foi morto pela polícia. As mensagens foram escritas, de dentro do presídio, por Célio Marcelo da Silva, o Bin Laden, um dos homens de confiança de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, chefe do PCC.

O grupo ainda explodiria um outro caminhão em frente ao batalhão da Polícia Militar para assustar e despistar os policiais. Os criminosos, segundo as mensagens, chegaram a encomendar fuzis e metralhadoras para usar em uma possível troca de tiros e até abater aeronaves.

Caso conseguissem sair da prisão, os líderes do PCC iriam para um sítio a 2 km da penitenciária e depois para um esconderijo subterrâneo. Segundo a polícia, as cartas foram transportadas por uma mulher que visitava Bin Laden na cadeia.

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informou que monitora o caso há mais de um ano e que "essa fuga jamais ocorreria porque os órgãos de inteligência da SAP monitoravam a oficina onde o veículo passaria pelo processo de blindagem". O local fica na zona norte da capital paulista.

Ainda segunda a nota, a secretaria vai requerer a remoção do preso diretamente envolvido nesse plano para uma prisão federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte,  ou de Porto Velho, em Rondônia. 

Já a Secretaria da Segurança Pública afirmou em nota que as ações das polícias Civil e Militar no combate ao crime organizado e ao tráfico de drogas levaram mais de 60 mil criminosos para a prisão em todo o Estado nos últimos dois anos. "Paralelamente às ações de policiamento, as operações de inteligência em parceria com o Ministério Público e a SAP permitiram que os principais líderes de facções criminosas fossem internados em presídios com regime disciplinar diferenciado", afirma.

No mês passado, as forças de segurança prenderam 65 pessoas durante a Operação Interestadual Echelon, realizada para cumprimento de ordens judiciais. Do total de presos, dois foram em flagrante e 63 por mandados, sendo que 51 pessoas já estavam detidas em unidades prisionais. Sete detidos foram transferidos ao Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). No decorrer das investigações, foram apreendidas mais de uma tonelada de drogas. Também foi preso um dos líderes da facção, no aeroporto de Guarulhos, quando retornava da Bahia, no dia 10 de maio deste ano. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.