Cupcakes, os bolinhos que conquistaram os paulistanos

Bolinho tradicional dos Estados Unidos, o cupcake virou moda no Brasil depois que apareceu no seriado Sex and the City. Os chefs brasileiros aproveitaram a onda, importaram a técnica de produção, e hoje já há especialistas no mercado.

, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2010 | 00h00

São Paulo, por exemplo, tem suas "cupcakerias". A Wondercakes é uma dessas lojas. Na vitrine, há uma centena de bolinhos coloridos. "São 28 sabores", explica Paula Kenan, de 33 anos, uma das sócias da casa, que abriu há sete meses. Independentemente da cobertura e do recheio, todos custam R$ 6,40. "O que mais sai é o de brigadeiro. Temos sabores brasileiros, como o de cupuaçu", diz. A Wonderland deve abrir mais duas lojas até o fim do ano.

Carole Crema, chef do La Vie en Douce, também apostou nos sabores nacionais, alguns exóticos, caso do cupcake recheado de goiabada com canela e cobertura de merengue com lascas de castanhas do Pará. Os bolinhos custam R$ 6,50 em média. Uma dica para quem quiser se especializar: em outubro, Carole lança um livro de receitas.

Há chefs que só trabalham sob encomenda. "Tem muito cliente que compra para festas e eventos corporativos", diz Fabiola Toschi, de 34 anos, publicitária e mestre em cupcakes.

O ateliê dela trabalha sob encomenda. O pedido mínimo é de 40 bolinhos, com exceção das datas comemorativas. Nessas épocas, ela desenvolve caixas especiais com seis unidades, que saem em média R$ 50. Outro serviço é o da personalização dos doces. "Para um médico, posso fazer um com estetoscópio, por exemplo", afirma Fabiola.

Novidade. Ela agora está lançando os whoopies, espécie de bem-casado com massa mais crocante, que lembra a de um biscoito.

O recheio do whoopie também é mais generoso. "Logo vira moda também", arrisca. "Nos Estados Unidos já é sucesso."

ONDE: ATELIÊ FABIOLA TOSCHI TEL.: (11) 3865-8258. LA VIE EN DOUCE RUA DA CONSOLAÇÃO, 3.161, JARDINS, TEL.: (11) 3088-7172. WONDERCAKES RUA AUGUSTA, 2.542, JARDINS. TEL.: (11) 3063-1209

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.