Cumbica vai ganhar neste mês scanner corporal

Aparelho doado pelo governo americano detecta drogas até dentro do corpo e será usado também em aeroportos do Rio e de Recife e Manaus

Bruno Boghossian, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2010 | 00h00

Passageiros que embarcarem em quatro grandes aeroportos brasileiros podem ser selecionados, a partir deste mês, para passar pelo novo e polêmico aparelho de escaneamento corporal, o "body scanner". O equipamento, que funcionará na área de embarque internacional de Guarulhos (SP), Galeão (Rio), Recife e Manaus, foi apresentado ontem pela Polícia Federal. O objetivo é impedir o embarque de armas, explosivos ou drogas.

O uso do aparelho em aeroportos dos Estados Unidos e do Reino Unido levantou questionamentos sobre a invasão da intimidade dos passageiros, já que a máquina permite enxergar "sob as roupas" dos investigados. A PF esclareceu que a imagem - gerada a partir da radiação emitida pelo equipamento, como uma radiografia - só tem capacidade de mostrar ossos, órgãos, objetos e o contorno do corpo.

O superintendente da PF no Rio, Ângelo Gioia, admitiu que a técnica pode ser considerada invasiva, "mas no limite". "A legislação permite a busca pessoal quando há fundadas suspeitas de atividade ilícita. Esta técnica seria menos invasiva que outras já em vigor, mais constrangedoras", afirmou. "Nunca há excesso quando se fala de segurança."

Procedimento. Quando o scanner entrar em operação nos quatro aeroportos, suspeitos não deverão mais passar por revistas pessoais ou se despir durante os procedimentos de buscas. Se um passageiro despertar a desconfiança dos agentes durante os procedimentos de segurança tradicionais antes do embarque, ele será levado a um ambiente reservado e passará sob um portal - no mesmo formato dos detectores de metais - em um procedimento que dura cerca de sete segundos. Como nas revistas tradicionais, mulheres só poderão ser acompanhadas por policiais do sexo feminino.

Armas escondidas sob as roupas, explosivos, munições e até drogas introduzidas no corpo são detectados pelo aparelho. "Se eu tiver uma carteira no bolso com uma medalha, será possível identificar a inscrição nessa medalha", comparou Gioia.

Doação americana. A instalação dos equipamentos é também um sinal de que o País tenta atender aos padrões internacionais de segurança diante da realização da Copa de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, inclusive no combate ao terrorismo.

Os quatro portais entregues à PF, avaliados em US$ 145 mil cada, foram doados pelo Departamento de Estado americano. Para o embaixador dos EUA no Brasil, Thomas Shannon, o equipamento vai contribuir para aumentar a segurança no continente. "Há vários exemplos de êxito desse equipamento nos EUA. Não podemos revelar informações por motivos de segurança, mas posso assegurar que essa máquina já salvou muitas vidas", afirmou.

A apresentação do equipamento também contou com a participação de um representante da agência americana de combate ao tráfico de drogas, a DEA.

Os policiais que vão operar os "body scanners" nos aeroportos estão sendo treinados por técnicos e radiologistas para poder interpretar as imagens. A PF informou que os aparelhos começam a funcionar este mês, mas não estabeleceu data específica.

REAÇÕES NO TWITTER

Eli Swenson

de Austin (EUA)

"Não gostei muito da ideia de ter pessoas vendo fotos nuas de mim. É perturbador"

John

de Toronto (Canadá)

"Minhas malas foram reviradas, meu sapatos revistados, fui apalpado por um agente e passei pelo "body scan"... Me sinto mais seguro? Nem um pouco. Irritado? Sim"

Carol Ellis

de Londres

"Passar pelo "body scan" no aeroporto não foi nada legal... Mas todos temos de fazer a nossa parte"

@freeandflawed

de Chicago (EUA)

"Acabei de passar pela primeira vez pelo "body scan" do aeroporto de O"Hare. O procedimento de segurança ficou mais lento e agora me sinto violada"

R. G. Ryan

Las Vegas (EUA).

"Tive que passar pelo " body scan" no aeroporto. E vocês estão chateados com a polêmica no Arizona (que torna crime a imigração ilegal)? Vocês estão de brincadeira?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.