Epitacio Pessoa/Estadão
Epitacio Pessoa/Estadão

Cumbica tem taxa de crimes contra passageiro 3 vezes maior que Congonhas

Segurança. A cada 100 mil passageiros do aeroporto internacional, 5,5 ocorrências foram registradas entre janeiro e outubro deste ano

Mônica Reolom - O Estado de S.Paulo,

08 Dezembro 2013 | 22h03

Um passageiro no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, têm quase três vezes mais chances de ser vítimas de crimes do que um viajante em Congonhas, zona sul da capital. A taxa de criminalidade no terminal internacional é de 5,5 ocorrências por 100 mil passageiros, enquanto em Congonhas é de 2 por 100 mil.

O cálculo foi feito com base nas ocorrências, de janeiro a outubro deste ano, registradas pelas Polícias Civil e Federal. A reportagem contabilizou crimes que têm pessoas como vítimas - furto, roubo, homicídio, lesão corporal e desacato - e dividiu os registros pelo número de passageiros em cada terminal.

Especialistas em segurança atribuem o índice de Cumbica ao fluxo de pessoas. "O risco de o criminoso ser pego em Guarulhos é menor. As quadrilhas são mais disfarçáveis em aeroporto internacional e há mais vias de acesso e saída. Em Congonhas, é mais fácil cercar alguém", diz o consultor e coronel Carlos Alberto de Camargo, ex-comandante da Polícia Militar.

O consultor em segurança Hugo Tisaka diz também que estrangeiros são alvos fáceis. "Em Cumbica, há mais estrangeiros que não conhecem o aeroporto nem os costumes locais." Além disso, os passageiros transportam bens mais valiosos.

População flutuante. O delegado Osvaldo Nico Gonçalves, da Divisão de Portos, Aeroportos e Proteção aos Turistas, responsável pelos dois aeroportos, explica que a população flutuante interfere no número de crimes em Cumbica. "Uma pessoa vai viajar e dez a acompanham para dar tchau. Na volta, tem mais 15 para recebê-la", diz.

O volume de passageiros por dia é de 98 mil em Cumbica, mas o número de pessoas que passa pelo local pode chegar a 150 mil, equivalente à população de São Caetano do Sul, no ABC paulista. Em Congonhas, são 46 mil passageiros por dia e população flutuante de 60 mil.

Os furtos e roubos nos terminais acontecem principalmente no saguão, nos balcões de check-in e nas praças de alimentação, onde os criminosos se aproveitam da distração dos passageiros. Nico afirma que as "gangues andinas" - formadas por colombianos, peruanos, bolivianos e chilenos - são responsáveis por 90% das ocorrências nos dois aeroportos.

Vítima. O executivo Paulo Reis, que viaja toda semana por Congonhas, conta que esperava um carro quando um jovem se aproximou e pediu informações. Enquanto isso, um comparsa furtou sua pasta. "Foi no ponto cego das câmeras, na última porta do desembarque. Com toda a paciência, ainda expliquei como chegar ao centro. Até falei em espanhol", diz Reis.

A maior reclamação da polícia é não conseguir prender os ladrões. Os bandidos presos em flagrante por furto podem pagar fiança e ser liberados. "Tem um peruano que já prendemos três vezes neste ano. Ele é solto e volta com nome diferente", diz Cícero Simão da Costa, delegado titular de Congonhas.

O desmantelamento de quadrilhas é apontado pela polícia como importante fator para derrubar a criminalidade. É isso o que explicaria que de 2012 para 2013 o número de furtos e roubos diminuiu 18% em Cumbica - de 1.594 para 1.315 - e 47% em Congonhas - de 350 para 186.

Mais conteúdo sobre:
CumbicaaeroportocongonhasGolTAM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.