Cumbica: 4 colombianos presos por furtar malas

Grupo flagrado pegando bolsa no check-in é acusado de cometer outros crimes parecidos

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2011 | 03h02

Quatro colombianos foram presos na noite de terça-feira por furtar a bolsa de um passageiro que fazia check-in no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. A polícia abordou o grupo - uma quadrilha acusada de atuar em outros crimes no aeroporto - em um Corsa prata no estacionamento e um deles confessou o crime. Só nesta semana outras cinco pessoas foram presas ou indiciadas por furto em Cumbica - entre elas, uma peruana e um argentino.

As câmeras de segurança do estacionamento de Cumbica já haviam flagrado outras vezes o Corsa prata usado pelo casal Cristian Fabian Cardona e Iury Iurlei Rodriguez Lemes e os amigos Diego Armando Hernandez Rodriguez e Ehiber Reinoso Figueroa. Em ocasiões diferentes, quando outros furtos foram registrados no aeroporto, o mesmo carro aparecia nas imagens deixando o estacionamento minutos depois. Na noite de terça, quando viu que o veículo estava lá novamente, a segurança acionou a polícia e os colombianos foram abordados. Um deles havia acabado de voltar com a bolsa roubada do Terminal 1 para encontrar os parceiros e fugir. À polícia, eles disseram primeiramente que estavam no aeroporto para comprar passagem. Depois, confessaram o crime.

Enquanto isso, o passageiro Fernando Rodrigues dos Santos, de 37 anos, que estava prestes a embarcar para Maceió, procurava sua bolsa no Achados e Perdidos do aeroporto. Encontrou-a depois na delegacia, quando foi prestar queixa do furto.

Hotéis e eventos. Segundo o delegado Ricardo Guanaes, os colombianos foram autuados por furto e formação de quadrilha. "Eles já praticavam esse delito em hotéis, eventos, lugares de grande aglomeração", diz. Dois deles já tinham passagem pela polícia, também por furto. Em Cumbica, os criminosos agiam sempre nos terminais de embarque, aproveitando o descuido de passageiros nas filas de check-in ou totens de autoatendimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.