Cubanos são os mais 'atenciosos', dizem professores

O coordenador pedagógico do curso de capacitação dos médicos estrangeiros em Pernambuco, Paulo Santana, não tem dúvida: os médicos cubanos serão todos aprovados. "Eles tiveram um desempenho excelente, até em Língua Portuguesa, tanto durante o curso quanto na avaliação", afirmou, ao destacar que os profissionais cubanos são mais cuidadosos que os brasileiros na anamnese - a entrevista com o paciente. "São extremamente atenciosos e vão fazer o maior sucesso", aposta.

ÂNGELA LACERDA , VITORIA DE SANTO ANTÃO, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2013 | 02h04

"A anamnese é extremamente importante para o diagnóstico", garantiu Elsa Vega, de 44 anos, que, como seus colegas, gostou da prova prática e não teve dificuldade na comunicação com os "pacientes" e no diagnóstico. "Nós costumamos conversar muito com o paciente, olhamos, tocamos."

Escrever foi um desafio maior, segundo Wilma Zamora Rodriguez, de 45 anos. Mas ela estava tranquila. "O importante é a comunicação e tudo que vocês falam nós entendemos."

Fortaleza. Sobraram elogios também para os 96 profissionais estrangeiros, 79 cubanos, que passaram pela prova em Fortaleza para atuar em Maranhão, Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. "São médicos com larga experiência em saúde familiar e vão ajudar a socorrer as populações mais carentes", afirmou o secretário nacional de gestão estratégica e participativa do Ministério da Saúde, Odorico Monteiro.

"Ninguém desistiu e vamos cumprir nossa missão", disse, entusiasmado, o cubano Juan Hernandez, que vai para uma área indígena a 500 km de São Luís. "Já sigo amanhã." / COLABOROU LAURIBERTO BRAGA, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.