Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Criticado em protestos, comandante da Tropa de Choque é substituído

À frente da unidade há quase dois anos, o coronel Cesar Augusto Franco Morelli foi contestado quanto à atuação dos PMs nas manifestações de junho

O Estado de S. Paulo

09 de agosto de 2013 | 10h13

SÃO PAULO - Alvo de críticas durante os protestos de junho em São Paulo, o coronel Cesar Augusto Franco Morelli foi demitido do posto de comandante da Tropa de Choque da Polícia Militar, que ocupava desde 1 de setembro de 2011. Ele foi substituído pelo coronel Celso Castelo Branco Savioli, atual comandante da Baixada Santista. A troca foi publicada no dia 7 de agosto no Diário Oficial do Estado.

Morelli ficou em evidência com  as manifestações contra o aumento da tarifa de ônibus na capital paulista, há dois meses. As passeatas terminaram em confronto em diversas ocasiões e a ação da Tropa de Choque foi alvo de contestações de autoridades e da sociedade civil. O grupamento foi acusado de ora atuar com excesso de força, ora fazer vista grossa a atos de depredação e vandalismo.

Em nota, a PM informou que a substituição é um "processo natural de gestão e renovação da instituição". O comunicado afirma que o coronel Morelli realizou um "excepcional trabalho" e que é normal ocorrerem movimentações nos postos no mês de agosto. Ele foi transferido para a Assessoria Policial Militar da Prefeitura - departamento de suporte administrativo ao Comando Geral da PM.

"Essa mudança não tem nenhum motivo especifico", disse o Secretário de Segurança Pública de São Paulo Fernando Grella Vieira. Grella negou que a troca no cargo tenha relação com o desgaste da tropa nas manifestações.

Ainda segundo a PM, Morelli foi o responsável pela indicação do sucessor. O coronel Savioli já atuou no 2º Batalhão de Choque, que cuida do policiamento de grandes eventos esportivos, e tem "vasta experiência" na área, de acordo com a corporação.

Savioli, por sua vez, será substituído pelo coronel Ricardo de Jesus Ferreira, que assumirá o comando do policiamento na Baixada Santista. Antes de ser promovido a coronel, Ferreira era responsável pelo 36º Batalhão, na região de Embu das Artes, Grande São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
tropa de choqueprotestoscomandante

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.