Crítica a projetos tem aumentado

Propostas de alterações urbanísticas no Rio raramente passam ilesas a polêmicas em torno da preservação ambiental, arquitetônica e de monumentos históricos. Um dos exemplos mais recentes é a lei complementar aprovada em dezembro pela Câmara que permite a construção de um prédio de até 44 andares em um terreno a 200 metros dos Arcos da Lapa, no centro.

, O Estadao de S.Paulo

20 Março 2010 | 00h00

Arquitetos e urbanistas, no entanto, criticaram a liberação da construção, que deve abrigar a nova sede da Eletrobrás e poderia prejudicar a paisagem dominada pelo aqueduto, inaugurado em 1750. Antes da aprovação da lei, eram permitidas construções de até seis pavimentos na região. "Até seria razoável construir um edifício alto ali, mas o assunto deveria ser objeto de mais discussão", alerta o arquiteto Eduardo Horta.

Já em novembro de 2009, a Câmara havia aprovado um Projeto de Estruturação Urbana para os bairros de Vargem Grande, Vargem Pequena, Camorim e parte do Recreio dos Bandeirantes, elevando o gabarito de algumas áreas de três para oito pavimentos. Ambientalistas criticaram o incentivo à ocupação de uma área considerada frágil, com diversos rios e canais.

Horta critica o modelo de discussão dessas alterações e propõe que as novas soluções sejam pensadas para todo o município. "Não adianta tentar consertar as regiões uma de cada vez. É preciso rever todo o Plano Diretor da cidade", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.