Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Receita da Sabesp com multa ‘abate’ 45% da ‘perda’ com bônus

Sobretaxa aos ‘gastões’ gera R$ 162,4 milhões até maio, enquanto descontos para quem economizou custaram R$ 363 milhões

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

22 Junho 2015 | 03h00

SÃO PAULO - O valor arrecadado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) com a multa da água neste ano já equivale a 45% do que a estatal deixou de receber dos clientes com os descontos dados para aqueles que reduziram o consumo por meio do programa de bônus no período.

Segundo balanço recém-divulgado pela Sabesp, a sobretaxa de até 50% na conta para quem aumentar o gasto com água em relação à média de consumo anterior à crise hídrica já rendeu R$ 162,4 milhões aos cofres da companhia até maio. A multa entrou em vigor em janeiro, mas só começou a ser cobrada nas faturas de fevereiro.

Nesse ano, a perda de receita com o desconto de até 30% na conta de quem economizou água foi de R$ 363 milhões. O bônus entrou em vigor em fevereiro de 2014. Se considerar os resultados a partir de fevereiro, quando as duas medidas passaram a vigorar juntas, a receita com a multa equivale a 54% da “perda” com o bônus.

Segundo o governo Geraldo Alckmin (PSDB), o objetivo da sobretaxa “não é arrecadatório” e, sim, “conscientizar a população sobre o consumo racional de água”. Em maio, de acordo com a Sabesp, 83% dos clientes da Grande São Paulo reduziram o consumo, índice recorde do programa. Em dezembro de 2014, antes do início da multa, eram 78%.

Dos 17% que aumentaram o consumo no mês passado, 10% foram multados (os demais ficaram isentos porque consomem menos de 10 mil litros por mês ou pagam a tarifa social), o que resultou na arrecadação de R$ 38,6 milhões.

Já a economia de água considerada “espontânea” na região metropolitana ficou estável em 6,2 mil litros por segundo, na comparação com abril. Quando lançou a multa, a meta era chegar a 7,3 mil litros por segundo.

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água Sabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.