Crise hídrica leva cidades a buscar água em rios poluídos

Prefeitura de Indaiatuba, de 200 mil habitantes, iniciou o processo para retirar água do Rio Jundiaí, um dos mais sujos do Estado

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

13 Agosto 2014 | 17h47

SOROCABA - O esgotamento dos reservatórios usados para abastecimento, causado pela seca, já leva cidades do interior a captar água em rios poluídos para atender a população. A prefeitura de Indaiatuba, cidade de 200 mil habitantes na região de Campinas, iniciou o processo para retirar água do Rio Jundiaí, um dos mais poluídos do Estado no trecho que corta o município. 

O prefeito Reinaldo Nogueira (PMDB) entrou com pedido no Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CRH) para reenquadrar o rio da Classe 4 - categoria em que as águas não podem ser usadas para abastecimento - para a Classe 3. Com o enquadramento, a água poderá ser tratada e distribuída à população.

De acordo com a prefeitura, investimentos em despoluição realizados ao longo da bacia nos últimos 20 anos melhoraram a qualidade da água, principalmente no trecho entre Itupeva e Jundiaí. "Além do relatório da Cetesb que atesta a qualidade da água do rio, foram realizados ensaios de tratabilidade com base na portaria 2914/2011, do Ministério da Saúde, que demonstraram que após tratamento, a água do Rio Jundiaí pode ser utilizada para abastecimento público", informou a assessoria de imprensa.

Segundo a prefeitura, em reunião no último dia 8, os Comitês PCJ, formados pelas bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, aprovaram a mudança de status do rio. O prefeito lembra que, em 2004, o serviço municipal de água conseguiu outorga, em caráter emergencial, para utilização do Rio Jundiaí para abastecimento público, por esse motivo a solicitação é para reativar a captação. "Estamos enfrentando a pior estiagem dos últimos 90 anos, e o uso do Jundiaí é de extrema importância para Indaiatuba", disse.

Em Sorocaba, a prefeitura tem projeto para abastecer parte da cidade com água retirada do Rio Sorocaba. No trecho urbano, onde será feita a captação, a água recebia esgotos e o rio era de Classe 4. Um projeto de despoluição, realizado também em Votorantim, situada rio acima, melhorou a qualidade das águas, tornando possível o tratamento da água. As cidades de Cerquilho e Laranjal Paulista já se abastecem no Rio Sorocaba.

Mais conteúdo sobre:
crise hídrica São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.