Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Crise hídrica faz Alckmin acelerar anúncio de obras

Até 2018, projetos devem quintuplicar volume de água adicionado ao sistema em 5 anos; governo não aliviou pressão sobre o Cantareira

Fábio Leite, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2014 | 20h52

Pressionado pela crise no Sistema Cantareira, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou uma série de obras para aumentar a oferta de água no Estado até 2018. Os projetos equivalem a quase cinco vezes o volume criado desde 2008.

São projetos de construção de um novo sistema produtor, duas barragens e de uma transposição que devem gerar ou regularizar cerca de 23,6 mil litros por segundo. Nos últimos cinco anos, o acréscimo de água para abastecimento foi de 5 mil litros por segundo.

Os anúncios a toque de caixa refletem o atraso do governo na elaboração do Plano Diretor de Recursos Hídricos da Macrometrópole Paulista, que oferece alternativas de captação de água para suprir o consumo projetado até 2035. O estudo foi contratado em novembro de 2008, por R$ 3 milhões, para ser concluído em 11 meses, mas só foi finalizado em outubro.

Enquanto o plano ficou em gestação, o governo ampliou a produção de água do Sistema do Alto Tietê em só 5 mil litros por segundo. Volume insuficiente para cumprir a exigência feita em 2004 à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) de reduzir a dependência na Grande São Paulo do Cantareira e evitar a crise atual, reflexo da estiagem mais severa da história. Ontem o nível do sistema chegou a 12%, ao menor já registrado.

"Cheias ou secas sempre vão existir quando dependemos da natureza. Sempre haverá incertezas. Agora, isso é um problema de Estado. As obras já estão planejadas. O que se precisa é de investimento mais rápido", afirmou Rubem Porto, professor de Engenharia da Universidade de São Paulo (USP) e especialista em recursos hídricos.

No plano. As três obras lançadas ou anunciadas por Alckmin agora estão no plano. O Sistema Produtor de São Lourenço, em Vargem Grande Paulista, e as barragens Pedreira e Duas Pontes, na região de Campinas, devem ser concluídos em 2018. O primeiro aumentará em 4,7 mil litros por segundo a oferta na Grande São Paulo e o segundo, até 13,8 mil litros no interior.

Já a transposição de 5,1 mil litros da Bacia do Rio Paraíba do Sul para o Cantareira está sendo elaborada e enfrenta resistência do Estado do Rio e do Vale do Paraíba. A ideia é conclui-la no fim de 2015. Até lá, o governo terá de usar todo o Cantareira e apostar na volta das chuvas.

Mais conteúdo sobre:
Cantareira água

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.