Crise dos bombeiros desgasta governo e faz Cabral sair de cena

Mesmo contra aliados, governador optou por manter prisões; ontem, até técnico do Flamengo amarrou fita vermelha

Pedro Dantas e Luciana Nunes Leal / RIO, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2011 | 00h00

Desgastado pelo crescente apoio da população ao movimento dos bombeiros por reajuste salarial, o governador Sérgio Cabral decidiu sair de cena. Além de entregar a negociação com os grevistas ao novo comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Sérgio Simões, Cabral tem evitado o assunto e ontem faltou a um encontro com empresários organizado pela Petrobrás, na sede da Federação de Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

Na noite de segunda-feira, em reunião com secretários e deputados estaduais, Cabral foi alertado pelo estrategista de comunicação Renato Pereira de que a reação do governador no fim de semana, quando determinou a prisão dos 439 bombeiros que invadiram o quartel central do Corpo de Bombeiros e chamou os manifestantes de "vândalos", não foi bem recebida pela população e pode causar danos à imagem do governo.

Políticos aliados do governador também detectaram que a população vê sua atitude como intransigente, embora reconheça a radicalização dos bombeiros. Alguns colaboradores chegaram a sugerir que Cabral suspendesse a prisão da maioria dos manifestantes e mantivesse presos apenas os líderes. O governador, no entanto, argumentou que não voltaria atrás na decisão e não cederia aos rebeldes. Cabral disse que era "fácil" dar opinião. "Quero ver sentar na minha cadeira, com a responsabilidade que eu tenho."

Flamengo. Nos dois dias seguintes, Cabral optou pelo silêncio sobre o episódio, enquanto o movimento dos bombeiros ganhava a simpatia da população. Policiais e outros funcionários públicos que passam na frente da Assembleia Legislativa, onde os bombeiros estão acampados, têm manifestado solidariedade aos grevistas. Ontem, até o time do Flamengo aderiu ao movimento. O técnico Vanderlei Luxemburgo amarrou no pulso as fitinhas vermelhas dos bombeiros. / COLABORARAM TIAGO ROGERO e BRUNO BOGHOSSIAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.