Criminosos incendeiam mais um ônibus na zona sul da capital paulista

Em uma semana, seis coletivos foram alvos de bandidos na região do Grajaú; último ataque aconteceu na Rua Rubens de Oliveira

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

14 Janeiro 2015 | 07h57

SÃO PAULO - Mais um ônibus foi incendiado na região do Grajaú, na zona sul da capital paulista, no início da madrugada desta quarta-feira, 14. Desta vez, o ataque aconteceu na Rua Rubens de Oliveira, onde ao menos quatro criminosos abordaram o coletivo.

De acordo com a Polícia Militar, os bandidos ordenaram que passageiros, motorista e cobrador desembarcassem, para, só então, atear fogo no ônibus, que ficou completamente destruído. Ainda segundo a PM, não há registro de feridos e os criminosos fugiram. Até o momento, nenhum suspeito foi identificado.

O ônibus pertencia à Viação Cidade Dutra, que atende a zona sul da cidade, e fazia a linha 5362/23 (Parque Residencial Cocaia-Vicente Rao). O caso foi registrado no 101º Distrito Policial (Jardim das Imbuias).

Na semana passada, outros cinco ônibus da mesma companhia também foram atacados na região do Grajaú, na Avenida Belmira Marin. Quatro deles foram inteiramente queimados, enquanto o quinto sofreu danos parciais. Na ocasião, a empresa recolheu os ônibus durante à noite por receio de novos ataques.

Dois dias depois, três suspeitos foram detidos e indiciados por crime de incêndio, atentado ao transporte público e organização criminosa. Eles, no entanto, foram liberados pela Justiça, que negou o pedido de prisão provisória.

De acordo com a São Paulo Transporte (SPTrans), 11 ônibus já foram incendiados neste ano na cidade de São Paulo. Do total de casos, 90% se concentram em quatro regiões, segundo afirma a Secretaria de Segurança Pública (SSP). A alta nas ocorrências fez o governo estadual e a Prefeitura anunciarem na última quinta-feira, 8, uma parceria para combater esse tipo de ataque.

Mais conteúdo sobre:
Violência São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.