Polícia Militar/Divulgação
Polícia Militar/Divulgação

Criminosos fazem motorista refém e incendeiam ônibus em Poá

Célio Benedito dos Santos teve o corpo embebido com gasolina, mas conseguiu escapar; segundo a polícia, ataque pode ter sido ordenado pela facção criminosa PCC

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2019 | 15h03

Correções: 22/07/2019 | 20h51

SOROCABA – Cinco homens renderam o motorista de um ônibus do transporte coletivo e puseram fogo no veículo, na madrugada desta segunda-feira, 22, em Poá, região metropolitana de São Paulo.

O motorista Célio Benedito dos Santos teve o corpo embebido com gasolina, mas conseguiu escapar. Os criminosos disseram que pretendiam “vingar” a morte de um suspeito, baleado pela polícia na noite de domingo, no Jardim Débora. Após o ataque, a empresa Radial Transporte Coletivo recolheu parte da frota.

O motorista contou à polícia que parou para pegar um suposto passageiro e, quando abriu a porta, o ônibus foi invadido por outras quatro pessoas armadas. Eles o renderam e obrigaram que levasse o veículo até a rua Estado do Espírito Santo, onde usaram galões com combustível para atear fogo ao coletivo. Antes, tiraram o motorista do ônibus e espalharam gasolina e etanol em seu corpo. O condutor aproveitou um descuido dos suspeitos para fugir. As chamas consumiram totalmente o veículo.

Conforme a Polícia Civil, o ataque pode ter sido ordenado pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que tentaria controlar o transporte clandestino na cidade, mas ainda é necessário avançar nas investigações.  À polícia, a empresa informou que vinha recebendo ameaças, por isso retirou vários ônibus de circulação – uma das linhas foi totalmente paralisada.

 A direção da Radial informou que está em contato com Polícia Militar para retomar o transporte e repudia os estímulos à violência e ação do crime organizado, que participa do transporte clandestino. “As ameaças contra a empresa se agravaram após ser aprovada a Lei n.o 13.855, que criminaliza o transporte clandestino de passageiros”, informou em nota.

Correções
22/07/2019 | 20h51

O texto informava erroneamente que a Lei nº 13.855 havia sido aprovada no município. A lei, na verdade, é federal. A matéria foi corrigida. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.