Sergio Castro/AE
Sergio Castro/AE

Criminosos fazem arrastão em salão de beleza na zona sul de São Paulo

Ladrões levaram pertences de clientes e o carro da dona do estabelecimento em Moema; após perseguição, dois foram presos

CAMILLA HADDAD, O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2012 | 03h05

Uma clínica de beleza e estética na Alameda dos Jurupis, em Moema, zona sul de São Paulo, sofreu um arrastão na tarde de anteontem e clientes que faziam unha, depilação e tratamento facial tiveram suas bolsas roubadas. Por volta das 15h30, dois homens armados com uma pistola levaram objetos de oito clientes e da proprietária do salão. No momento do assalto, mais três funcionárias atendiam as clientes. A dupla fugiu do local no Kia Soul da dona do estabelecimento.

Ontem à tarde, André Marcos da Cunha Martins, de 20 anos, e um adolescente de 17 foram presos suspeitos de praticar o crime. Eles circulavam pela região da Avenida Yervant Kissajikia, na Vila Joaniza, zona sul, com o carro roubado no dia anterior, quando desobedeceram ordem de parada de policiais militares. Houve perseguição durante cinco minutos. Ao render os suspeitos, os PMs encontraram no porta-malas bolsas e aparelhos eletrônicos, como iPads e iPhones.

O soldado Maurizio Perin, das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicleta (Rocam), do 22.º Batalhão, contou que os acusados alegaram que as bolsas eram de suas mães. Ao identificar o veículo, o PM entrou em contato com a dona da clínica e, enquanto efetuava o flagrante, enviou a foto dos dois suspeitos por mensagem. Eles foram reconhecidos imediatamente. Perin disse também que os dois detidos já tinham passagem por roubo.

De acordo com o soldado, é comum bandidos venderem os pertences das vítimas em regiões carentes e por preços bem abaixo do mercado. "Eles iriam abrir o porta-malas aqui na região (da Vila Joaniza) e, com certeza, cada um desses iPhones seria comercializado por R$ 500." Perin afirmou ainda que a dupla foi audaciosa ao escolher os itens. "Soube que os celulares das manicures eles nem quiseram porque não eram smartphones."

A ação. Entre as clientes, havia uma pedagoga, duas empresárias e donas de casa. A proprietária da clínica, de 58 anos, que não quis se identificar, contou que a ação na tarde de terça-feira durou dez minutos. "Entraram e ficaram com a arma o tempo todo abaixada. Pediram as bolsas e saíram com o meu carro. Quando saíram, ficou todo mundo com medo e a mulherada começou a gritar", disse.

A dona do salão contou que abriu o estabelecimento há seis meses. É a primeira vez que ela é assaltada e disse que agora está muito assustada. "Não vou reforçar a segurança nem mudar de endereço. Agora, o que vou fazer é trancar a porta."

Durante o assalto, o botão de pânico teria sido acionado diversas vezes, mas não houve resposta da empresa de segurança. O estabelecimento tem sistema de monitoramento, mas, segundo a polícia, as imagens não são gravadas. No 27.º Distrito Policial (Campo Belo), onde o caso foi registrado como roubo, o boletim de ocorrência estimava um prejuízo de R$ 70 mil, o que inclui o carro, dinheiro e objetos. Foram levadas quantias em real, euro e dólar. "Uma das vítimas tinha R$ 1 mil na carteira", revelou Perin.

Clima. Na Alameda dos Jurupis, comerciantes disseram que roubos e furtos de veículos são comuns na via. "Vira e mexe, vejo carro parado com vidros quebrados", contou o dono de um sebo.

A gerente de um bar perto do local do crime disse que muitas lojas, por precaução, contrataram seguranças para ficar nas suas portas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.