Criminalistas divergem sobre responsabilidades

Criminalistas se dividem quanto à existência de dolo na morte do Hopi Hari. Tales Castelo Branco acredita que, se for comprovado que funcionários do parque sabiam da deficiência do brinquedo e mesmo assim permitiram que ele funcionasse, "há provas mais do que cabais que que há dolo". "Dolo está relacionado com 'vontade de'. O dolo eventual é o caso de não haver vontade de cometer o crime, mas assumir o risco de que ele venha a acontecer."

O Estado de S.Paulo

02 Março 2012 | 03h02

Para ele, resta saber se o funcionário havia relatado o problema a algum superior. "Quem estiver diretamente ligado à rotina de manutenção e segurança terá de ser responsabilizado ."

O criminalista Roberto Podval discorda. Para ele, "é muito difícil pensar em dolo nesse caso". Ele acredita que o homicídio tenha sido culposo. "Para pensarmos em dolo eventual, teríamos de admitir que a pessoa visualizou o que poderia acontecer e, mesmo assim, permitiu que o brinquedo funcionasse. Eu acho que não foi o caso, que ninguém que estava no parque - seja o funcionário da manutenção ou o diretor - cogitou a possibilidade de isso acontecer." / C.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.