Crime da Oscar Freire: 60 anos para acusado

Acusado de matar e roubar o analista de sistemas Eugênio Bozola, de 52 anos, e o modelo Murilo Rezende, 21, em um apartamento na Rua Oscar Freire, nos Jardins, na zona sul de São Paulo, Lucas Cintra Zanetti Rossetti, de 23, foi condenado a 60 anos de prisão e ao pagamento de 720 dias multa.

O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2013 | 02h02

O crime aconteceu em 23 agosto de 2011 e a sentença foi dada na sexta-feira. Inicialmente, ele seria julgado por homicídio, mas se concluiu de que seu objetivo maior era roubar.

Segundo a juíza Isaura Cristina Barreira, da 30.ª Vara Criminal, Rossetti "queria o carro (de Bozola, um Honda Civic), matou as vítimas por isso e para assegurar que ficaria com ele sem a intervenção das vítimas".

Quando cometeu o crime, Rossetti era hóspede de Bozola há uma semana. Ele chegara a manter relações com Bozola devido a vantagens que o analista lhe oferecia, como o uso do carro. "O réu agiu friamente, pois apesar de tanto sangue e horror no apartamento, ainda teve a coragem e escrever com sangue e café nas paredes", escreveu. Na sentença, a juíza interpreta a inscrição na parede como indicação de um crime homofóbico, no qual foi usada "violência desmedida".

Pela investigação, Rossetti dopou Bozola e Rezende antes de matá-los a facadas. "Vendo que ambos estavam mortos, procurou fugir e apagar os vestígios de sua estadia ali, a fim de não ser tido como autor intencional das mortes", diz a juíza na sentença. Rossetti já está preso e, de acordo com a juíza, não poderá recorrer da condenação em liberdade. / ARTUR RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.