Crianças retomam a praça São Lucas

Local que tinha virado a cracolândia da Vila Cruzeiro recebeu a garotada durante festa organizada por ONG com teatro, capoeira e oficinas

Clarissa Thomé / RIO, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2010 | 00h00

A quadra da Praça São Lucas, que nos últimos anos havia sido transformada na cracolândia da Vila Cruzeiro, na zona norte do Rio, foi devolvida às crianças da região na manhã de ontem, em uma festa com teatro, capoeira e oficinas de pintura organizada pela ONG Rio em Movimento.

O evento foi batizado de Ocupação Cultural. "Queríamos retomar os espaços públicos da Vila Cruzeiro. Essa quadra só era frequentada por quem vendia ou usava drogas e mesmo depois da ocupação policial ficou vazia. Tivemos de retirar lixo e entulho", disse a coordenadora da ONG, Ingrid Gerolimich.

No lugar dos caminhões incendiados de uma rede de eletrodomésticos que foram usados como barricadas pelo tráfico no dia 25 - quando a polícia ocupou a favela -, crianças e seus pais cercaram a praça. "Eu brincava aqui quando era pequena. Era o único espaço de lazer para muita mãe que não tinha onde levar o filho para brincar. Mas depois ninguém mais podia vir para cá", lembrou a cantora gospel Nayra Raimundo, de 15 anos, que foi voluntária no evento.

Nos dias de confronto, Nayra passou praticamente o tempo todo no seu quarto com as duas irmãs, cunhado, sobrinho e primo. "Não dava para ficar na sala. O tanque subiu a minha rua e o tiro pegou lá em casa."

A menina Larissa Calazães, de 10 anos, brincava pela primeira vez ali. Tímida, não quis ir ao pula-pula, preferiu ficar na fila de pintura corporal. "A rua ficou feia. Era só tiro. Quando acabou a luz, eu fiquei quieta. Foi todo mundo para a cozinha. Agora está bonito", disse.

Ingrid afirmou que nos últimos dias ouviu relatos de moradores sobre os filhos, abalados pela violência. "Queríamos fazer algo para diminuir o trauma das crianças."

Os voluntários para a festa vieram de diversos pontos do Rio - como Brás de Pina e Complexo da Maré, na zona norte, Santa Teresa, na zona sul, e Niterói, cidade do Grande Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.