Crianças morrem carbonizadas em incêndio provocado por vela

Município de Herculândia ficou sem energia elétrica e pai acendeu vela no quarto das filhas, antes de dormir

Jair Aceituno, especial para O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2008 | 15h46

As meninas Aline Barros de Lima Ferreira, de 3 anos, e Jamile Barros de Lima Ferreira, de 11 meses, morreram carbonizadas na madrugada desta quinta-feira, 10, dentro do próprio quarto, quando a casa onde moraram, na Avenida São Paulo, em Herculândia, pegou fogo. A cidade, no interior de São Paulo, ficou sem eletricidade por algumas horas na noite de quarta-feira, 9, depois que um caminhão derrubou dois postes. Para evitar a escuridão, o pai das crianças, Oséias Osvaldo Alves, de 27 anos, acendeu uma vela no quarto delas e foi dormir. Ele e a mãe das meninas, Amanda Barros de Lima Ferreira, de 21, só acordaram quando o fogo já havia tomado conta do quarto das crianças. Tentará retirá-las mas não conseguiram e saíram correndo pedindo ajuda dos vizinhos, que também nada conseguiram fazer. O fogo alastrou-se pelo carpete e madeira existentes no local e destruiu completamente o ambiente. Amanda está internada em Tupã, em estado de choque, e Oséias foi transferido nesta manhã para a unidade de queimados de Bauru, onde deverá receber tratamento especializado. Seu corpo teve grandes queimaduras quando tentava socorrer as filhas. O acidente que motivou a interrupção de eletricidade ocorreu após o abastecimento do caminhão num posto de combustíveis da cidade. O motorista não conseguiu ligar o veículo que, desgovernado, avançou por uma descida e bateu no poste e num muro.

Tudo o que sabemos sobre:
incêndiomortecrianças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.