Criança pode ganhar até 3 nomes

Um recém-nascido entregue à Justiça pode receber três prenomes até o fim da adoção. Durante o processo, muitas vezes cabe ao juiz da Infância batizá-lo provisoriamente para que seja feita a certidão de nascimento.

Fábio Mazzitelli, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2011 | 00h00

A missão leva magistrados a manifestarem de formas diferentes algumas paixões. "Um juiz deu a uma criança nome de Marcos Kléber por causa do Palmeiras", revela uma servidora do Judiciário, referindo-se ao goleiro e ao atacante do time.

O nome precário dado pelo juiz pode ser trocado pela mãe biológica - na entrega voluntária, questionar a mãe sobre o nome do bebê faz parte da avaliação psicológica - e pela família adotiva. "Quando é menina, me inspiro em nomes de ex-namoradas. Se é menino e estou sem ideia, abro a Bíblia", diz Iasin Issa Ahmed, juiz em Santo Amaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.