Divulgação/Vini Arruda
Divulgação/Vini Arruda

Cresce total de casos de trombose após cirurgia

Instituto de Traumatologia faz campanha para prevenir coágulos em pacientes

Clarissa Thomé , O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2015 | 02h01

A dona de casa Elisabeth Miranda Dias, de 89 anos, passava pano de chão no banheiro, quando escorregou. Foi o tombo de número 26. Elisabeth é do tipo organizada e anota tudo: já havia caído na rua, no jardim, na sala de visitas, enumera. Desta vez, o fêmur direito ficou em formato de T. Viúva e sem filhos, estava sozinha em casa. "Nunca gritei tanto. Era muita dor. Gritei até os vizinhos ouvirem e me socorrerem."A queda 26 aconteceu em abril, mas Elisabeth continua internada. A causa é uma trombose, entupimento em uma das veias. Quando há o agravamento da trombose, o coágulo que se forma pode se soltar e seguir até o pulmão, provocando a embolia pulmonar e até a morte.

Elisabeth foi operada no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Rio, referência em cirurgias ortopédicas de alta complexidade. Em 2013, a trombose acometeu uma em cada cem pessoas operadas no hospital. Naquele ano, houve 9.729 cirurgias. Em 2014, veio o alerta: mesmo com a redução de 40% das operações por causa de uma greve que durou cinco meses, dois em cada cem pacientes tiveram trombose.

O aumento dos casos de coágulos pós-cirúrgicos levou o Into a lançar uma campanha para evitar o problema. "Aparece uma vermelhidão, a perna incha e esse inchaço dificulta a recuperação do paciente, retarda a mobilidade e aumenta o tempo de internação. Existem medidas que podem evitar esse quadro", afirma o diretor-geral do Into, João Matheus Guimarães.

Após a cirurgia, os pacientes recebem medicamentos anticoagulantes, que devem ser tomados entre 15 e 35 dias, dependendo do tipo de operação. Muitos acabam abandonando o tratamento, que consiste em injeções subcutâneas diárias.

Guimarães também recomenda a fisioterapia precoce. "O paciente tem de ser estimulado a se mexer. Ficar acamado aumenta o risco de trombose." Na cartilha que está sendo distribuída para as 10 mil pessoas que passam pelo Into diariamente, há dicas de movimentos simples, como mexer os pés para cima e para baixo por 20 vezes ou pressionar a coxa contra a cama, contar até seis, relaxar e repetir dez vezes. Também sugere-se ingerir dois litros de água por dia.

A trombose após as cirurgias acontece porque, no momento em que o paciente tem tecidos como pele e músculos cortados durante a operação, o organismo interpreta que está sofrendo uma agressão e libera substâncias na corrente sanguínea para coagular uma suposta hemorragia. Como não está acontecendo nenhum sangramento descontrolado, a reação acaba provocando coágulos.

Algumas cirurgias têm maior risco de provocar esse entupimento nas veias. No caso de lesão medular, varia entre 60% e 80% dos casos; politraumatizados têm 40% de chance de sofrerem trombose pós-cirúrgica. "A literatura médica mostra que neurocirurgias e cirurgias ginecológicas estão entre as que mais têm risco de trombose. Essas recomendações valem para todas as cirurgias", afirma Guimarães.

Os pacientes devem ficar atentos a sinais como uma dor diferente da dor da cirurgia, vermelhidão e inchaço que aparecem nas pernas (trombose periférica) ou nas coxas (trombose proximal). A temperatura também aumenta na perna que está doendo. Respiração curta e rápida e palpitações, que podem levar a desmaios, tosse com sangue e dor incomum no peito ou nas costas são sinais de que a situação se agravou.

Quedas. No Into, 65% das cirurgias de fraturas são provocadas por quedas. Dessas, 55% acontecem dentro de casa - é o caso de Elisabeth. Ela está satisfeita porque o inchaço na perna direita diminuiu, mas se queixa da internação prolongada, das dores. "Chorei hoje. Tinha de fazer ginástica, a moça queria que eu levantasse a perna. Ando ralhando com Jesus. O que é que eu fiz para merecer isso?"

Tudo o que sabemos sobre:
Saúdetrombose

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.