Cratera causa demolição de casas em Paraisópolis

Oito casas foram demolidas na manhã de ontem e outras 31 devem ser derrubadas até o fim da semana, na Rua Doutor Flávio Américo Maurano, dentro da Favela de Paraisópolis, zona sul da capital, após a abertura de uma cratera de dois metros de profundidade e três metros e meio de diâmetro no local. A informação é do coordenador da Defesa Civil da Subprefeitura do Campo Limpo, David Monteiro.

CAMILA BRUNELLI , O Estado de S.Paulo

29 Março 2012 | 03h04

O problema começou na tarde de sábado, quando a chuva fez com que uma parte da margem de um córrego cedesse e uma casa construída na laje sobre as águas desabasse. O córrego, que passava por baixo das residências, foi obstruído pelos entulhos e teve o curso desviado - a água invadiu a rua, causando a abertura do buraco, na terça.

Cerca de 30 pessoas tiveram de ir para casas de parentes ou amigos. Monteiro explicou ainda que as outras 31 residências sofreram abalo de estrutura. "Quando estávamos derrubando as casas de baixo, todas as outras tremiam", disse.

A empregada doméstica Lucimar dos Santos, de 38 anos, pagava aluguel de R$ 300 para morar com os quatro filhos em uma das casas demolidas e não tem parentes por perto. O jeito foi se abrigar no ateliê do namorado, que reforma sofás. "Trouxe colchão e cobertores, vou dormir aqui até que a Prefeitura libere o aluguel social."

O benefício foi prometido à doméstica no prazo máximo de cinco dias e será de R$ 400.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.