Cracolândia terá área de lazer em base da PM

Jogo entre dependentes químicos e imigrantes haitianos vai marcar a inauguração do local, na próxima terça-feira

LAURA MAIA DE CASTRO, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2014 | 02h06

Com praça reformada, bancos grafitados, novas quadras poliesportivas e academia ao ar livre, uma base comunitária da Polícia Militar será aberta oficialmente na próxima terça-feira, no Largo Coração de Jesus, nos arredores da Cracolândia, centro da capital paulista. A inauguração terá um torneio de futebol entre usuários de crack que participam do programa municipal De Braços Abertos e imigrantes haitianos.

A estrutura fixa para cerca de 24 policiais e o monitoramento do entorno por 16 câmeras de segurança já estão em funcionamento, mas o local ainda não foi aberto à população. A inauguração deve ter a presença do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e do prefeito Fernando Haddad (PT).

O projeto, que envolveu as esferas municipal e estadual, teve parceria da seguradora Porto Seguro, cuja sede fica a um quarteirão do local. A empresa foi responsável por reformar a praça, que antigamente era um tradicional ponto de encontro no bairro. Mas isso era antes do aumento da concentração de usuários de crack nas ruas ao redor, nas últimas décadas.

"Na minha infância, a praça era muito usada e eu espero que volte a ser o lugar cativo que era", disse a maestrina Marina Kahowec, de 23 anos, que mora no bairro Campos Elísios desde que nasceu e estudou no Liceu Coração de Jesus, na frente do Largo. Para Marina, a presença da base vai trazer uma maior sensação de segurança.

A maioria dos usuários que fazem parte do programa De Braços Abertos com os quais a reportagem conversou na manhã de ontem disse que teme a presença da base da PM. Entretanto, boa parte deles se mostrou animada com a possibilidade de ter um espaço de lazer. "Não só meus filhos, mas também as outras crianças da região vão ter um espaço para brincar. Um local limpinho e sem muita bagunça. Também vamos poder jogar vôlei", disse Poliana Alessandra Silva, de 24 anos, que trabalha na varrição do programa municipal anticrack.

Segundo Edsom Ortega, assessor especial do governador Geraldo Alckmin, os policiais da base receberam uma formação suplementar de policiamento comunitário. "O treinamento reforça a aproximação da polícia com a população, com os PMs, conhecendo, por exemplo, o nome dos moradores e comerciantes. Isso facilita a identificação e a prisão de traficantes que atuam na região."

Vandalismo. Apesar da grama cortada e das pinturas frescas, ainda há marcas da atuação do tráfico no Largo Coração de Jesus. Em uma árvore ao lado da quadra de futebol, é possível ver marcas das letras da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Além disso, a estátua de bronze do bispo Dom José de Camargo Barros está sem uma das mãos. Segundo policiais que atuam na região, durante o período em que a praça ficou abandonada, os usuários de crack arrancaram-na para vender o metal e comprar drogas.

O Secretário Municipal de Segurança Urbana, Roberto Porto, disse que a Guarda Civil Metropolitana (GCM) continuará combatendo o tráfico diariamente e que o novo largo tem um simbolismo muito importante. "A partir da inauguração, vamos ocupar o espaço com cultura e atividades esportivas. A ideia é integrar a população com a GCM e a PM."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.