Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Cracolândia será alvo de operação policial, anuncia Alckmin

Forças de segurança vão entrar mais uma vez na região para tentar prender traficantes e atacar comércio de drogas

O Estado de S.Paulo

12 Maio 2017 | 13h10

SÃO PAULO - Após mais um conflito envolvendo agentes policiais e usuários de droga, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta sexta-feira, 12, que a região da Cracolândia, no centro da capital, será alvo de uma operação conjunta para combater o tráfico de drogas e também prender traficantes. A ação contará com forças das Polícias Civil, Militar e Federal, além de agentes da Guarda Civil Metropolitana (GCM).

Investigações da Polícia Civil de São Paulo apontam que a Cracolândia tornou-se um "reduto" do Primeiro Comando da Capital (PCC), que implementou no local um modelo semelhante ao de concessão de franquias para controlar o tráfico de drogas, conforme revelou o Estado nesta sexta.

No esquema, os criminosos vendem um posto de tráfico por entre R$ 70 mil a R$ 80 mil, fornecem a droga ao "franqueado" e ficam com parte dos lucros da venda. A estimativa da polícia é de que a venda de crack movimente R$ 8 milhões por mês, com 19 quilos da droga comercializados por dia. 

Para combater o tráfico, o Alckmin disse que haverá "duas ações, ambas importantes". "A primeira, mais rápida, que nós não vamos adiantar a data para não prejudicar a operação, é um operação de polícia para tirar traficantes", disse o governador de São Paulo, que voltou a afirmar que a Cracolândia vai deixar de existir ainda no período do seu mandato, que encerra em dezembro de 2018. "Pode escrever e pode cobrar: vai acabar a Cracolândia."

Segundo o governador, a operação será em conjunto com a Prefeitura de São Paulo. O secretário da Segurança Pública (SSP), Mágino Alves, afirmou que também haverá policiais federais por causa dos imigrantes que ficam na região do "fluxo", como é chamada a área de maior concentração de usuários e de drogas na Cracolândia. Detalhes como dia, horário e efetivo que será empregado na ação não foram informados.

Ações. Além da operação policial, Alckmin destacou que a área é alvo de outra ações, entre elas o atendimento de saúde para usuários de droga. "Dependência química é uma doença: como é apendicite, como é pneumonia", afirmou o governador. "O Cratod (Centro de Referência de Tabaco, Álcool e Outras Drogas) funciona 24 horas por dia, inclusive com presença do judiciário, da OAB Ordem dos Advogados do Brasil), da Defensoria."

Para "revitalizar" a região e acabar com o "fluxo", Alckmin aposta na Parceria-Público-Privada (PPP) para construção de moradias no terreno que abrigava a rodoviária da Luz, no coração da Cracolândia, que ficou cerca de sete anos abandonado. "Na medida em que você tiver as pessoas morando lá, evidente que não vai mais existir a Cracolândia", disse. "Se tem família habitando, tem vida."

O terreno deve dar lugar a um empreendimento com 1.226 apartamentos com promessa de entrega no ano que vem, segundo Alckmin. Outra obra, com previsão para este ano, terá mais 100 apartamentos na Rua Helvétia. O cálculo do governo é que cerca de 8 mil pessoas passem a morar na região. "Vai poder participar do sorteio quem tem pelo menos uma pessoa da família que trabalha no centro", disse.

Confronto. Na semana passada, Bruno de Oliveira Tavares, de 34 anos, funcionário de uma empresa especializada em remoção clínica e psiquiátrica, foi morto após ter sido sequestrado, torturado e mantido em cárcere privado na Cracolândia

Segundo as investigações, ao ser abordado por traficantes e confundido com um policial, ele teria dito que era do Comando Vermelho (CV), facção fluminense rival do PCC, e teve a morte decretada pelo chefe da Cracolândia. A polícia afirma que a vítima não fazia parte de facções criminosas.

Na quarta-feira, 10, um assalto terminou em novo confronto na região. Dois pedestres tiveram os celulares roubados e avisaram à GCM. Os guardas perseguiram e prenderam quatro suspeitos no meio dos usuários de drogas e foram encurralados. A PM foi acionada. Na sequência, uma pessoa foi baleada, um ônibus sequestrado e lojas saqueadas. 

 

 

Segundo o secretário Mágino Alves, há cerca de 150 PMs atuando diariamente na região - o que teria resultado na prisão em flagrante de cerca de 140 pessoas por tráfico de drogas nos últimos 12 meses. "Nós vamos reforçar o policiamento agora, nesta semana, por causa dessa ocorrência", disse.

Um dos empecilhos para atuação policial, segundo Alves, é uma liminar obtida pelo Ministério Público que impede abordagens no "fluxo". "Ela nos cria um problema porque todo mundo sabe que o traficante usa o usuário como escudo. Como a gente não pode agir em relação ao usuário, isso termina causando uma dificuldade para a polícia."

Mais conteúdo sobre:
Cracolândia São Paulo Geraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.