CPTM vai reformar 12 estações da Linha 7-Rubi

Quatro paradas já estão com obra em andamento; estimativa é gastar R$ 675 milhões com intervenções até 2014

O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2012 | 03h02

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) anunciou ontem que vai fazer reformas em 12 das 17 estações da Linha 7-Rubi, que liga a capital paulista a Jundiaí. O anúncio foi feito pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), durante evento para lançamento do projeto de trem expresso que vai ligar as duas cidades.

As primeiras estações da reforma, Franco da Rocha, Francisco Morato, Jaraguá e Vila Aurora, já estão com as obras em andamento. A previsão é que as próximas reformas comecem entre 2013 e 2014. As inaugurações das novas paradas devem ocorrer apenas em 2015. A estimativa do governo do Estado é gastar R$ 30 milhões com os projetos das estações e cerca de R$ 675 milhões com as obras.

Em oito estações (Pirituba, Perus, Caieiras, Baltazar Fidelis, Botujuru, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista e Jundiaí) a contratação do projeto executivo já terminou. As obras devem começar entre o fim deste ano e o começo de 2013.

A promessa da CPTM é contratar, até o começo do ano que vem, os projetos para as estações Água Branca, Lapa, Piqueri e Vila Clarice.

Em todos as paradas, as obras incluem a instalação de escadas rolantes, piso tátil para deficientes, banheiros e outros serviços para readequar a linha à demanda de passageiros, que hoje chega a meio milhão de pessoas por dia.

Trem expresso. O edital para contratar o projeto executivo do trem que ligará a capital e Jundiaí em 25 minutos será publicado hoje. O trajeto terá partida na Estação Água Branca e conexão com a Linha 7-Rubi e com a futura Linha 6-Laranja do Metrô - conforme o Estado antecipou há duas semanas.

O projeto deve ficar pronto até o fim do ano. A expectativa do governo é iniciar a construção da linha no ano que vem, com custo previsto de R$ 3,2 bilhões e participação de empresas privadas. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.