CPTM presta serviço essencial e não pode ter greve, diz Kassab

Prefeito afirma que recomendou às concessionárias de ônibus que utilizem mais veículos

Circe Bonatelli, Agência Estado

02 de junho de 2011 | 13h06

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, disse nesta quinta-feira, 2, ser contra a possibilidade de greves em serviços como o de transporte ferroviário, prestado pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). "No meu entendimento, são serviços essenciais e, portanto, a greve não deveria existir. Espero que essa questão seja resolvida ao longo do dia", afirmou Kassab, durante a Cúpula C40, que reúne representantes de metrópoles de vários países para o debate sobre mudanças climáticas.

 

Kassab afirmou que desde ontem a Prefeitura recomendou às concessionárias de ônibus da capital que utilizem o maior número de veículos "para atenuar ao máximo o desconforto da população" causado pela paralisação dos trens da CPTM.

 

O prefeito negou que o trânsito afete a capacidade da cidade de São Paulo de realizar grandes eventos como a C40. "É evidente que qualquer grande centro urbano tem trânsito, e os eventos também acontecem nessas cidades", disse, citando Nova York, Londres e Paris. "Porém, vamos continuar caminhando com investimentos no transporte público para, ao longo dos anos, não haver tanto trânsito."

 

Kassab negou também que a Fórmula Indy, último grande evento internacional realizado em São Paulo (no fim de abril e início de maio), tenha comprometido o trânsito da cidade. "A cidade soube entender que haveria a prova e acabou se adaptando, e o trânsito foi até menor", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.