CPTM estuda baixar tarifa da Linha 9

Medida pode ser adotada fora dos horários de pico para desafogar Linha 4-Amarela do Metrô, diz secretário estadual dos Transportes

ANNE WARTH / BRASÍLIA, BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2012 | 03h03

O governo do Estado estuda a possibilidade de cobrar uma tarifa mais barata dos usuários da Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) que utilizarem os trens fora do horário de pico. A medida é mais uma tentativa de combater a saturação da Linha 4-Amarela do Metrô, que passou a funcionar em horário integral no ano passado.

"Estamos analisando, para a Linha 9 da CPTM, chamar as pessoas para um desconto", afirmou o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. Segundo ele, os estudos tiveram início há uma semana e, por enquanto, estão em estágio embrionário. A ideia, porém, é cobrar um valor mais baixo para os usuários que embarcarem nessa linha fora dos horários mais lotados. "Estamos pensando na seguinte possibilidade: não quer andar das 9h às 10h e pagar menos? Estamos fazendo esses cálculos", afirmou.

A ideia já é praticada na CPTM e no Metrô nos horários anteriores ao pico da manhã. Entre 4h e 5h30, a passagem custa R$ 2,50. O secretário, no entanto, não adiantou qual seria o valor do desconto em estudo nem os horários em que ele valeria.

Na Linha 9-Esmeralda, como há integração nas Estações Pinheiros (com a Linha 4) e Santo Amaro (com a Linha 5), os usuários do metrô também poderiam obter o desconto - desde que entrem pelas bilheterias da CPTM. "Nesse caso, não mexeríamos nos sistemas do Metrô. Quando eu der desconto na Linha 9, o passageiro entra na Linha 4 com tarifa mais baixa por causa da integração. Na Linha 4 eu não mexo. Mexo apenas na Linha 9."

Fernandes explicou que os descontos são estudados apenas para a Linha 9-Esmeralda da CPTM por causa das características próprias do ramal. O governo não teria como arcar com o desconto caso fosse concedido para todo o sistema da CPTM.

Nas Linhas 1-Azul e 3-Vermelha do Metrô, por exemplo, circulam 3 milhões de passageiros por dia, mas metade deles utiliza os trens em um período de 6 horas do dia, pela manhã e à tarde. "A outra metade, se eu der um desconto na tarifa, digamos, de R$ 1, vou ter uma subvenção de R$ 1,5 milhão por dia e R$ 40 milhões por mês. Estoura o orçamento. E os passageiros que já andam fora do pico não vão mudar o comportamento, porque já andam fora do pico. Não adianta. Se eu der um incentivo, terei uma queda de receita brutal."

Superlotação. Essa é a segunda mudança importante no sistema metroferroviário que o governo estuda para reduzir a superlotação da Linha 4-Amarela, que já chega a levar 600 mil passageiros por dia. No fim do ano passado, a Linha 10-Turquesa da CPTM deixou de ir até a Estação da Luz, onde também há conexão com a Linha 4, para desafogar o ramal. A Linha 10, agora, para na Estação Brás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.